Governo do Estado de Pernambuco

quarta-feira, 20 de maio de 2020

Especialistas defendem OMS de críticas sobre desempenho no combate ao coronavírus

Membros da OMS e líderes mundiais participam de assembleia virtual do órgão, na segunda. / EL PAÍS
El País

“Investigações preliminares realizadas pelas autoridades chinesas não encontraram uma clara evidência de transmissão do vírus de pessoa para pessoa.” Esta mensagem, publicada em 14 de janeiro pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em sua conta do Twitter, acabou virando munição contra sua gestão da epidemia.

A informação afinal era falsa, como o mundo ficou sabendo de uma forma dolorosa, enquanto os equilíbrios da geopolítica levaram a OMS a hesitar na hora de declarar emergência sanitária internacional. Tampouco escapou aos críticos o delicado tratamento que o diretor-geral do organismo, Tedros Adhanom Ghebreyesus, sempre dispensou ao gigante asiático, com boas palavras que se mantinham apesar das sucessivas mudanças que as novidades sobre o vírus obrigavam a adotar em questões tão importantes como o uso de máscaras e os infectados assintomáticos.

“São críticas interessadas”, lamenta Fernando García Benavides, catedrático de Saúde Pública na Universidade Pompeu Fabra, de Barcelona. “Claro que a OMS se equivocou em algumas coisas, como muitos de nós. Mas utilizar isso para desqualificar um organismo necessário e que apesar de tudo tem feito um trabalho importante me parece um erro”, acrescenta.

O tuíte da OMS foi publicado quando fazia apenas uma semana que um vírus desconhecido era o responsável pelo amontoado de pneumonias surgidas em Wuhan. “Estávamos diante de algo totalmente novo. E não se deve esquecer que o conhecimento científico é um processo de tentativa e erro”, acrescenta García Benavides.

A OMS recuou sobre as máscaras em 6 de abril, quando, depois de várias semanas defendendo que não eram recomendadas para pessoas saudáveis, começou a contemplar seu uso. Também foi modificando posições sobre as restrições aos movimentos individuais. Mas, de novo, os especialistas concordam: “Mudou o mundo, como não vão mudar algumas posições dos organismos internacionais?”, questiona Daniel López Acuña, ex-diretor de Ação Sanitária em Crises da OMS.

López Acuña nem sempre aplaudiu as decisões do organismo. No fim de janeiro, criticou o fato de a OMS ter precisado de três reuniões e sete dias para decretar a emergência internacional. “Não ter feito isso na semana passada criou um vazio de autoridade sanitária internacional, que é justamente o papel que ela deve exercer. Isto permitiu que outros atores, como Governos e companhias aéreas, adotassem suas decisões de forma unilateral, o que é o pior cenário”, recriminou na ocasião.

Isso não impede que, com algumas ressalvas, continue defendendo o papel de organismos multilaterais que são o principal alvo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. “Isto é uma guerra fria, neste caso econômica e contra a China, que também vai mudando de cenário segundo o contexto. E agora este campo de batalha é a OMS”, acrescenta López Acuña, professor na Escola Andaluza de Saúde.

“Mas também existem outras críticas, neste caso estruturais, que não são novas e merecem ser ouvidas. Refiro-me a potencializar o Regulamento Sanitário Internacional para dotar a OMS de melhores ferramentas em caso de pandemia, tornar vinculantes algumas de suas decisões e dar mais peso a outras”, acrescenta. Para os especialistas, o organismo sofreu um duro golpe quando muitos países grandes resolveram ignorar suas orientações sobre o fechamento de fronteiras, entre outros pontos-chave para o combate à pandemia.

Levadas ao extremo, algumas teorias conspiratórias acusam a China de ter desenvolvido o vírus em um laboratório e consideram que a OMS ajudou o gigante asiático a ocultar este fato com seu suposto adesismo inicial e com as posteriores mudanças em suas posições. No final de abril, o diretor do laboratório de coronavírus do Centro Nacional de Biotecnologia da Espanha, Luis Enjuanes, descartava essa hipótese: “É absurda. Não se sustenta que nenhum laboratório esteja preparando um agente patogênico sem ter de antemão a vacina, porque o primeiro alvo contra o qual [o vírus] pode se voltar é esse mesmo laboratório”, observou.


Avaliação interna


Em um documento de sete páginas aprovado na segunda-feira pela assembleia geral da OMS, os países participantes se comprometem a “iniciar, assim que se der o momento propício, e em consulta com os Estados membros, um processo imparcial, independente e exaustivo de avaliação” da gestão da pandemia pelo organismo.

“É um mecanismo muito comum nos organismos da ONU”, explica López Acuña. “Isto permite escapar de possíveis vieses de uma avaliação interna. É melhor que seja externa, com especialistas reconhecidos internacionalmente que agora serão escolhidos”, acrescenta. Esse especialista considera que a abertura da investigação “é uma resposta a Donald Trump, mas não só a ele”, e que também é um bom sinal, “já que mostra que os dirigentes da OMS não estão entrincheirados, e sim abertos a uma avaliação de sua gestão”.

sábado, 16 de maio de 2020

PRTB se fortalece em Garanhuns e poderá ter candidato na majoritária


O presidente do Diretório do partido em Garanhuns, Márcio Guimarães, foi recebido na sede do partido na Capital Pernambucana, acompanhado pelo PR Rômulo Falcão, um dos nomes fortes no partido, a fim de oficializar as pretensões do Diretório local.

Os dois conservadores foram muito bem recebidos pelo 2° vice presidente   Ladelso Gomes e pelo Secretário Regional Carlos Alberto.

De olho nos 18 mil votos que Bolsonaro obteve em 2018, na ausência de um candidato que represente a direita e os conservadores com a sede por um nome novo na cidade, o presidente Márcio Guimarães voltou com a missão de conduzir a apresentação do futuro candidato do PRTB à sociedade Garanhuense.

Há estudo sobre o partido lançar uma chapa puro sangue, ou aliançar-se com outro partido que comungue dos valores conservadores, para que haja um melhor aproveitamento no resultado.

Aguardem detalhes em breve.

CORONAVÍRUS: Informe Epidemiológico Garanhuns

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

sexta-feira, 15 de maio de 2020

Governo prorroga proibição do acesso às praias e parques do Estado até o dia 31 de maio


O governador Paulo Câmara assinou hoje (15) um novo decreto vedando o acesso aos parques, praias e aos calçadões próximos a essas localidades. A medida, contida no Decreto Nº 49.025/2020, já está em vigor e vale até o dia 31 de maio para todo o Estado de Pernambuco.

A proibição do acesso às praias, parques e calçadões foi decretada inicialmente no dia 03 de abril. Com o avanço da pandemia, o Governo decidiu estender ainda mais o prazo de fechamento, agora para o dia 31 maio. A iniciativa reforça, no âmbito do Estado, as medidas de isolamento social, evitando a expansão da pandemia do novo coronavírus.

ISOLAMENTO – A esse decreto, somam-se as determinações do isolamento que passam a vigorar neste sábado (16), proibindo a circulação de pessoas e veículos, com exceção das atividades consideradas essenciais. As medidas valem para os municípios do Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Camaragibe e São Lourenço da Mata – cidades da Região Metropolitana do Recife que concentram mais de 70% dos casos registrados de Covid-19 no Estado.

Há obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção em todos os locais, rodízio de veículos em dias alternados, de acordo com o último numeral da placa (par ou ímpar), entre outras ações que serão rigorosamente fiscalizadas por agentes do Governo.

Nelson Teich pede demissão antes de completar 1 mês no cargo


O ministro da Saúde Nelson Teich pediu demissão na tarde desta sexta-feira, 15. Teich pede para sair antes de completar um mês a frente do cargo.

Teich deixa o cargo por discordar do presidente Jair Bolsonaro em dois pontos:

1) Teich diz que o uso da cloroquina é ineficaz e sem comprovação científica. Bolsonaro discorda de Teich e das pesquisas científicas.

2) Teich diz que afrouxar o isolamento irá matar mais pessoas. Bolsonaro ampliou as atividades essências no momento que o número de casos está aumentando. Incluiu salões de beleza e academias. Teich sequer foi consultado.

Teich é médico. Bolsonaro é paraquedista.

É a segunda vez que um médico deixa o cargo do Ministério da Saúde por não concordar com a vontade do presidente de ir contramão do que fiz a ciência.

O Brasil já atingiu 14 mil mortes, e o nome mais cotado para o cargo é Osmar Terra, negacionista do vírus, crítico do isolamento e que foi exonerado recentemente por Bolsonaro do Ministério da Cidadania.

Governo do Estado prorroga fechamento do comércio até 31 de maio


A suspensão do funcionamento de estabelecimentos comerciais, industriais e prestadores de serviço em Pernambuco foi prorrogada até o dia 31 de maio, por determinação do governador Paulo Câmara. A exceção fica para as atividades consideradas essenciais, previstas no decreto estadual nº 49.024/2020, que estabelece o período de quarentena em cinco municípios da Região Metropolitana do Recife, entre os dias 16 e 31 de maio, como estratégia para ampliar o isolamento social e reduzir a curva de transmissão do novo coronavírus no Estado.

A prorrogação do prazo de fechamento do comércio, indústria e empresas prestadoras de serviços está prevista no artigo 15º do decreto estadual, publicado no Diário Oficial desta sexta-feira (15). O mesmo documento trata da intensificação de medidas restritivas da quarentena determinada pelo Governo do Estado no início da semana, e que entrará em vigor a partir deste sábado (16) no Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Camaragibe e São Lourenço da Mata.

Entre as medidas adotadas está o rodízio de veículos em dias alternados, de acordo com o último numeral da placa (par ou ímpar). A restrição à circulação de veículos e o fortalecimento da fiscalização nas ruas e em estabelecimentos comerciais são medidas que visam coibir ao máximo a circulação de pessoas nessas cinco cidades, que concentram mais de 70% das notificações de contaminação pela Covid-19 no Estado. O isolamento social é cientificamente comprovado como a forma mais eficiente de evitar a transmissão do vírus.

quinta-feira, 14 de maio de 2020

Diretor da OMC renuncia em meio às novas tensões entre EUA e China

Roberto Azevêdo, diretor general da Organização Mundial do Comércio, em imagem de arquivo.FABRICE COFFRINI / AFP

El País

O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), o brasileiro Roberto Azevêdo, anunciou nesta quinta-feira que deixará o cargo no próximo 31 de agosto, um ano antes do fim do seu segundo mandato. “É uma decisão pessoal —uma decisão familiar—, e estou convencido de que preserva os melhores interesses da organização”, afirmou ao anunciar sua renúncia, após convocar por videoconferência os representantes dos 164 países e territórios membros do organismo.

Azevêdo, à frente da OMC desde 2013, declarou que sua saída, muito meditada, não se dá por motivos de saúde nem por ambições políticas. “Entre o fechamento e minha recente cirurgia no joelho, tive mais tempo do que o normal para a reflexão. E só tomei esta decisão após longas discussões com minha família”, disse. O embaixador, de 62 anos, afirmou que a organização precisa de um novo diretor-geral para elaborar uma nova agenda numa realidade posterior à pandemia da Covid-19, na qual deve-se “garantir que o comércio contribua para a recuperação da economia global”.

A renúncia à diretoria da OMC chega num momento crítico da organização. Seu principal mecanismo de resolução de controvérsias, o Órgão de Apelação, está bloqueado desde dezembro devido à recusa dos Estados Unidos em designar novos juízes. A situação mergulhou a OMC numa crise em precedentes em seus 25 anos de história, ao impedir o funcionamento de um de seus mecanismos fundamentais e uma das poucas instâncias internacionais cujas decisões têm caráter vinculante. Contrapondo-se ao bloqueio, a China, a União Europeia e outros membros da organização (sem a participação dos EUA e do Japão) anunciaram em 30 de abril a implementação de um órgão de arbitragem alternativo.

A demissão ocorre também no contexto da pior crise econômica desde a Grande Depressão, como consequência da pandemia do coronavírus e num momento de grandes tensões comerciais entre as duas potências globais, EUA e China, reativadas após meses de apaziguamento. Embora ambos os países tenham concordado recentemente em seguir o acordo fechado no final de 2019, nesta mesma quinta-feira o presidente norte-americano, Donald Trump, aventou a possibilidade de “romper qualquer relação” com o gigante asiático, origem do surto mundial do novo coronavírus, numa entrevista ao canal Fox News.

Azevêdo é o sexto diretor-geral da OMC e ocupa o cargo desde setembro de 2013. Na reunião do Conselho Geral de fevereiro de 2017, os membros decidiram de forma unânime renovar seu cargo por um novo período de quatro anos, que expiraria em 2021. “Meu mandato como diretor-geral da OMC foi o período mais exigente, emocionante e gratificante da minha vida profissional. Eu aprendi muito, e acredito que pude contribuir para manter a OMC como um pilar central da governança econômica mundial em meio a tempos difíceis para a cooperação multilateral”, disse ele em sua despedida.

No pronunciamento, Azevêdo aproveitou para mencionar algumas conquistas alcançadas durante seu mandato, como a expansão do Acordo de Tecnologia da Informação, a conclusão do Acordo de Facilitação do Comércio e algumas decisões sobre segurança alimentar. “Eliminamos subsídios à exportação agrícola e ajudamos a promover mais exportações de bens e serviços dos países menos desenvolvidos. Grupos de membros com ideias parecidas encontraram maneiras de promover discussões sobre questões críticas, ao mesmo tempo protegendo o direito de outros membros de optar por participar ou não”, destacou Azevêdo. E valorizou o papel da OMC ao evitar que “prevaleça a lei da selva” no que diz respeito ao comércio.

quinta-feira, 7 de maio de 2020

Juiz nega lockdown e diz que decisão cabe ao Governo


Do Blog do Magno Martins

O juiz da 1ª Vara da Fazenda do Recife, Breno Duarte Ribeiro, indeferiu, ontem, já tarde da noite, o pedido do Ministério Público de Pernambuco para decretação no Estado do esquema radical de isolamento social em decorrência da pandemia do Covid-19 conhecido como lockdown, viabilizado com medidas mais duras e efetivas, obrigatoriedade das práticas de distanciamento, bloqueio total da cidade, com fechamento de vias e proibição de deslocamentos. Temendo o desgaste político, o governador Paulo Câmara usou o MP para sustentar o seu discurso, mas o juiz rejeitou a petição do MP sob o argumento de que o lockdown é uma decisão que cabe ao Estado e não ao MP. Para conseguir a medida, o MP terá agora quer recorrer ao Tribunal de Justiça, visto por advogados consultados pelo blog como instância em que há mais mais chances do pedido ser deferido.

terça-feira, 5 de maio de 2020

'Lockdown' na Grande São Luís começa nesta terça: saiba o que funciona durante bloqueio para conter a pandemia do coronavírus

Avenida Daniel de la Touche, em São Luís, completamente vazia na manhã desta quinta-feira (5) — Foto: Rafaelle Fróes/G1

Do G1 Maranhão

O lockdown (bloqueio total) dos serviços não essenciais na Região Metropolitana de São Luís para conter a pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, entrou em vigor nesta terça-feira (5).

Este é o primeiro caso de bloqueio total no país em meio à pandemia. Medidas semelhantes já são avaliadas pelo governo de estados como Rio de Janeiro, Pernambuco e Pará e também cogitadas pelos prefeitos das capitais paraense, pernambucana e do município paraibano Santa Rita.

No início da manhã, havia mais de 30 barreiras de circulação só na capital São Luís, que teve registro de engarrafamentos. Os bloqueios, que estão também em outros três municípios, têm como foco áreas que dão acesso a regiões de maior circulação.

Os pontos de bloqueio são móveis e devem ser alterados de acordo com a movimentação na cidade. Motoristas são abordados para checagem de documento que comprove a necessidade de trabalhar, conforme a Justiça havia determinado.

O lockdown no Maranhão, decretado pelo governador Flávio Dino (PCdoB) após determinação judicial da última quinta-feira (30), vale por dez dias na capital, São Luís, e nos municípios Paço do Lumiar, São José de Ribamar e Raposa. A população deve seguir as medidas de restrição, sob pena de multa.

A Justiça determinou o lockdown após um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apontar que o Maranhão é o estado com maior ritmo de crescimento no número de mortos por Covid-19 no país. Até a noite desta segunda-feira (4), o Maranhão havia registrado 4.530 pessoas infectadas e 271 mortes, segundo a Secretaria de Estado da Saúde (SES).


O que prevê o lockdown no Maranhão:


Suspensão das atividades não essenciais, com exceção de serviços de alimentação, farmácias, portos e indústrias que trabalham em turnos de 24 horas.

Bancos e lotéricas abrem apenas para o pagamento do auxílio emergencial, salários e benefícios sem lotação máxima nesses ambientes, com organização de filas.

Proibição da entrada e saída de veículos por dez dias, com exceção para caminhões, ambulâncias, veículos transportando pessoas para atendimento de saúde e atividades de segurança.

Suspensão da circulação de veículos particulares, sendo autorizados somente a saída para compra de alimentos ou medicamentos, para transporte de pessoas e atendimento de saúde, serviços de segurança ou considerados essenciais.

Limitação da circulação de pessoas em espaços públicos.

Proibição de qualquer aglomeração de pessoas em local público ou privado, para realização de eventos como shows, congressos, torneios, jogos, festas e similares

É obrigatório o uso de máscara em todos os locais públicos e de uso coletivo, ainda que privados.

Quem não cumprir as regras do lockdown estará sujeito a advertência ou multa. Estabelecimentos podem sofrer interdição parcial ou total do estabelecimento, no caso de empresas (leia detalhamento mais abaixo nesta reportagem).

Em entrevista à GloboNews nesta segunda-feira (4), o governador Flávio Dino (PCdoB) disse estar percebendo "boa aceitação das medidas". "Esse [boa aceitação] é o nosso principal trunfo. Mas teremos também o aparato coercitivo, legítimo, que são as forças policiais, tudo isso com a autoridade do poder judiciário, que foi o autor da decisão".

domingo, 3 de maio de 2020

Fernando Rodolfo destina R$2,4 milhões para o combate ao coronavírus em Garanhuns


O deputado federal Fernando Rodolfo anunciou na noite deste domingo (3) a destinação de R$ 2,4 milhões de reais para o município de Garanhuns. O dinheiro deverá ser aplicado em ações de combate ao coronavírus na cidade. Desse total, R$ 1 milhão irá para a área de saúde prefeitura, permitindo ao prefeito ampliar os investimentos em leitos de retaguarda e até mesmo montar leitos de UTI. Mais R$ 1 milhão foi conseguido pelo parlamentar para o governo do estado. “Entrei em contato com o chefe de gabinete do governador, Milton Coelho, e pedi para que direcionasse esse recurso para o hospital regional Dom Moura. O secretário me garantiu que o governo irá atender o pleito”, explica Rodolfo. Com a confirmação do dinheiro no Dom Moura, o governo poderá aumentar em até 10 o número de leitos de UTI naquela unidade hospitalar.

Além disso, Fernando Rodolfo também já incluiu no sistema de emendas ao orçamento do governo federal, a importância de R$ 400 mil reais para a prefeitura de Garanhuns comprar cestas básicas para a população mais vulnerável. “Muita gente está sem trabalhar faz mais de um mês e isso faz a economia dessas famílias entrar em colapso. Com esse dinheiro, a prefeitura poderá comprar por volta de oito mil cestas básicas em regime de urgência”, estimou o deputado. “É mais dinheiro do que o repasse que o governo federal irá fazer por ocasião do PLP 39/2020, aprovado pelo senado no último sábado e que deverá ser analisado pela Câmara no começo desta semana”, disse Rodolfo, se referindo ao valor de R$ 1,6 milhão, que a prefeitura deverá receber de forma parcelada para investir nas ações de combate ao vírus, se o projeto for aprovado.

Os recursos assegurados pelo deputado federal Fernando Rodolfo deverão começar a chegar a partir da próxima semana.

sexta-feira, 1 de maio de 2020

Médica que atuava no combate à pandemia morre de Covid-19 no Recife, diz Cremepe


Do G1 Pernambuco

Uma médica que atuava no combate à pandemia do novo coronavírus morreu no Recife, vítima da doença Covid-19, de acordo com o Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe). Ela foi a primeira profissional da categoria a morrer com o vírus, apontou o conselho. Rosa Maria Papaléo era anestesiologista e acupunturista, atuava há 32 anos na profissão e era uma das pioneiras no segmento de tratamento de dores no estado.

A profissional morreu na quinta-feira (30), no Hospital São Marcos, no Centro da cidade. O G1 entrou em contato com a Secretaria Estadual de Saúde para confirmar o exame positivo para Covid-19 da médica, mas não recebeu resposta até a última atualização desta reportagem.

Segundo o Cremepe, que lamentou a perda em nota, ela era tida como "desbravadora" no tratamento de dores, sendo, inclusive, ao longo de sua carreira, secretária na Sociedade de Dor de Pernambuco e especialista em termografia, técnica de registro das temperaturas de diversos pontos do corpo, pela Associação Brasileira de Termologia.

Rosa Maria Papaléo era formada pela Universidade de Pernambuco (UPE), tinha especialização em medicina do trabalho e acupuntura com curso realizado na China.

"Reconhecida pelos colegas e amigos médicos como uma mulher doce, empática, amiga e muito trabalhadora, Rosa trabalhou nos hospitais São Marcos, Oswaldo Cruz (Huoc) [hospital de referência para Covid-19], Real Hospital Português e na rede Unimed Recife", disse o Cremepe, por meio de nota.

Colega de trabalho e amigo da médica, o anestesiologista José Barbosa Júnior chamava Rosa de "mama". Segundo ele, ela deixa um rico legado na anestesiologia. Ela, que dava plantões em hospitais particulares, foi internada com sintomas da Covid-19 no dia 19 de abril.

"Ela foi uma das pioneiras no tratamento da dor, que hoje é uma especialidade médica, mas antes não era. Quando se começou a falar em dor, mais de 20 anos atrás, ela foi uma das pessoas que começaram um movimento dessa especialidade aqui no Recife", disse o médico.

Ex-participante do The Voice Kids, Tuca Almeida, é morto a tiros aos 15 anos


Do G1 Pernambuco

Um adolescente de 15 anos de idade foi morto a tiros, na tarde desta quinta-feira (30), no bairro de Candeias, em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife. Segundo a Polícia Militar (PM), a vítima foi Tuca Almeida, que participou do programa The Voice Kids, da TV Globo, em 2018, quando tinha 13 anos de idade.

Ainda de acordo com a PM, cerca de 15 tiros foram disparados. Em nota, a Polícia Civil disse que o homicídio aconteceu por volta das 17h e que, segundo informações preliminares, seis homens encapuzados entraram atirando em um estabelecimento comercial.

"Procuravam, supostamente, pelo cunhado da vítima, que estava no local acompanhando o jovem e conseguiu fugir. Esse cunhado, pelas investigações iniciais, é um presidiário posto em liberdade como medida de prevenção à disseminação da Covid-19 no sistema penitenciário", disse a Polícia Civil no texto.

O caso foi registrado pela equipe da Força Tarefa de Homicídios Metropolitana Sul, coordenada pelo delegado Fábio Lacerda. A investigação fica por conta do delegado Ícaro Schneider. A Polícia Civil afirmou que vai se pronunciar sobre o caso ao término da investigação, "que não cessará até a devida elucidação e captura dos responsáveis".

Informações sobre data, horário e local do sepultamento do corpo de Tuca Almeida não foram divulgadas até a última atualização desta reportagem.


Homicídios em Pernambuco


Pernambuco registrou um aumento de 14,2% nos casos de homicídios ocorridos em março de 2020, segundo os dados divulgados pela Secretaria de Defesa Social (SDS). O número subiu de 316 para 361, comparando o mês com o mesmo período de 2019, apesar das medidas de restrição implementadas para incentivar o isolamento social e conter a pandemia do novo coronavírus.