domingo, 25 de março de 2018

Pouca Vergonha e Malfeitos


Givaldo Calado de Freitas *


Não gosto de fogo, amigo. De palha então... Muita fumaça...

É que eu penso diferente. Sonhos? Claro que tenho. E na medida do possível, os realizo nos meus dias a dia. Chegando perto de meus semelhantes. Ficando triste quando me vejo bem e meu vizinho mal. Ajudando alguns, mas, incontido, por não poder ajudar a mais. Muitos! Todos! De preferência.

Mas para esses sonhos... para a realização desses sonhos, nunca precisei de mandato. Precisei e preciso do renascer desses sonhos. Precisei e preciso do reinvento desses sonhos. E eles, em mim, renascidos. E eles, em mim, reinventados... todo o santo dia. Sempre com o upgrade também sonhado.


Evidente, amigo, que para você alçar voos mais altos nesse mister você precisa de contar com a outorga popular. E dela se investir para adensar seus sonhos. Todavia, penso que essa outorga terá de vir a você por reconhecerem sua história. Não tendo, portanto, que a despeito de seu exemplo de vida, você tenha que mendigá-la.

Aí a grande diferença. Aí o sonho popular que a gente começa a enxergar, hoje, em nosso país, posto que já a destempo pelos prejuízos causados à nação por mandatários sem sonhos e sem espírito público. Portanto, sem o menor dever perante a nação. Além do seu. Consigo mesmo. Único. Singular. O exercício da pouca vergonha com a prática de malfeitos.

Ou assim entendemos. Ou assim praticamos... Ou já, já, deixaremos de ser a nação que sonhamos.


* Figura pública. Empresário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário