segunda-feira, 16 de outubro de 2017

De factoides, assim vive a pseudo-oposição em Garanhuns

Oposição estilo Quanto Pior Melhor

Inexpressiva, desorganizada e vivendo de um factoide atrás do outro, assim vive a pseudo-oposição em Garanhuns, se é que podemos dizer que hoje o prefeito Izaías Régis (PTB) tem alguma oposição no meio politico local, se tem está ainda não apareceu.

Na falta de ter o que falar ou por pura falta de capacidade de identificar problemas reais, agora vemos o alarde que alguns fizeram em cima do empréstimo, consignado, se assim o podemos chamar, dos cinco milhões que a prefeitura pretende contrair junto ao Banco do Brasil se assim os garanhuenses permitirem através do voto dos seus 13 representantes, vereadores, na câmara municipal da cidade.

A Prefeitura de Garanhuns informou através de nota (clique aqui e veja) que está encaminhou projeto de lei à câmara de vereadores para apreciação dos legisladores, solicitando a autorização para contrair empréstimo junto ao Banco do Brasil, a ser pago em um prazo de 60 meses, descontados direto do Fundo de Participação dos Municípios – FPM, por isso consignado.

A destinação do dinheiro, no valor de 5 milhões de reais, ainda segundo a prefeitura, será a seguinte: 1 milhão de reais para a conclusão da Escola Municipal Padre Agobar Valença; 1 milhão de reais para Secretaria de Infraestrutura, que será encaminhado para a Gerencia de Iluminação, e os 3 milhões de reais restantes  para obras de  Infraestrutura no bairro Francisco Figueira, abrangendo os bairros popularmente conhecidos como Cohab 2, Morada do Sol e Rosa Mística.

A Prefeitura esclarece ainda que o empréstimo faz-se necessário devido às dificuldades financeiras enfrentadas pelo município, desde o bloqueio de recursos, em junho, em decisão judicial referente à gestão anterior. Afirmando que a secretaria de finanças avaliou os pros e os contras de tal medida, vendo que o impacto financeiro de tal medida irá trazer mais benefícios que prejuízos aos moradores de Garanhuns.

Não satisfeitos em criticar por criticar, em torcer pro quanto pior melhor, esta pseudo-oposição agora esta numa luta frenética e desenfreada para impedir o que ainda não existe, o que ainda não passa de uma miragem, de uma promessa, que é a promessa do governo federal de lançar um novo programa de financiamento aos municípios chamado Avança Brasil, o qual pretende abrir uma nova linha de credito com carência de 4 anos divididos em 240 parcelas ao longo de 20 anos, para que com essa injeção de recursos os municípios possam voltar a ter capacidade de investimentos vindo a ajudar o País a sair ainda mais rápido da crise financeira que ainda atravessa.

Em conversa por telefone com o prefeito Izaías Régis na tarde deste domingo (15), descobrimos que este novo programa, ainda em analise no congresso nacional, caso aprovado, dará uma linha de credito com recursos do tesouro nacional através da caixa econômica federal a todos os municípios que estejam em dia com suas contas e com capacidade de endividamento, com Garanhuns podendo sacar até 30 milhões, pagando, como dissemos acima, com carência de 4 anos divididos em 240 parcelas em 20 anos.

Graças a um programa como este, o Projeto Cura, que o governo do ex-prefeito Ivo Amaral ainda é lembrado como um dos melhores que Garanhuns já teve.

Em conversa agora a pouco, também ao telefone, com o ex-vereador e empresário Givaldo Calado de Freitas, descobrimos que o mesmo foi player decisivo para que tal empréstimo fosse concedido a época para a cidade.

Givaldo a época funcionário do Banco Nacional de Habitação – BNH, foi o grande articulador e orientador para que a prefeitura ficasse habilitada dentro dos prazos necessários para que pudesse contrair tal empréstimo dentro do Projeto Cura.

O Projeto Cura destinou recursos do BNH através da caixa econômica federal, como o novo Avança Brasil. Com diferencial que os recursos do novo projeto vêm do tesouro nacional.

Ainda em conversa com Givaldo, descobrimos que graças a tais recursos que Garanhuns veio a ter asfalto em suas ruas. Antes daquele forte aporte de recursos, Garanhuns só tinha ruas calçadas, nenhuma pavimentada.

Givaldo nos conta que com este aporte de recursos Garanhuns deu um salto na qualidade da sua infraestrutura, o que pode vim a acontecer agora caso o novo Avança Brasil seja aprovado pelo congresso nacional.

“Amigo Cisneiros, Garanhuns antes do Projeto Cura não tinha uma rua sequer asfaltada, graças ao aporte de tal recurso que podemos dar um salto na infraestrutura da nossa cidade, o que pode vim a se repetir agora com o novo Avança Brasil, onde teremos um novo aporte de recurso a se somar a nossa arrecadação para darmos por assim dizer um segundo salto em infraestrutura como o nosso prefeito nos garante.” Afirma Givaldo.

Vale a pena lembrar que o Projeto Cura, assim como o novo Avança Brasil, se aprovado, também foi financiado a longo prazo, com o prefeito atual, Izaías Régis, vindo a quitar a sua última parcela.

Por isso, que quando está pseudo-oposição vem com a falácia de afirmar que tal empréstimo irá inviabilizar as futuras gestões, vemos que ou usam de má fé ou são mesmo extremante despreparados e desinformados. Pois a nossa arrecadação anual no ano passado de 2016 chegou a aproximadamente 240 milhões de reais, podendo chegar esse ano de 2017 a até 300 milhões. Lembrando ainda que a arrecadação do município em 2013, primeiro ano de Izaías como prefeito em seu primeiro mandato, era de apenas 150 milhões, o que mostra que com Izaías a frente da prefeitura em pouco menos de cinco anos de mandato, 4 anos do seu primeiro mandato mais nove meses e 16 dias deste seu segundo mandato até hoje (16), já vai dobrar a nossa arrecadação. Ainda ouvimos do próprio prefeito que segundo as suas projeções, pretende entregar a prefeitura em 2020 com uma arrecadação na casa dos 500 milhões anuais. Vistos por este ângulo vemos que realmente não passa de um factoide este papo furado de inviabilizar as futuras administrações, comparando os cinco milhões do consignado do Banco do Brasil mais os trinta milhões que ainda é só promessa do governo federal, ao montante arrecadado pelo municipio.

Antes que alguns pseudo-opositores venham a questionar do porque pegar tais recursos já que a nossa arrecadação vem crescendo ano após ano, só o que temos a dizer é que vão perguntar qual prefeito hoje no Brasil está rejeitando algum recurso em plena crise que o País atravessa. Simples assim.

Então, é por essas e outras que a já desidratada e inexpressiva oposição se desmaterializa cada vez mais e mais em nossa cidade. Uma pena, pois em toda salvável e boa democracia uma oposição coerente, que não torça só para dar errado por dar errado, é de uma enorme contribuição tanto para o debate quanto para ajudar a fiscalizar os nossos suados recursos arrecadados com o pagamento dos nossos impostos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário