sexta-feira, 30 de junho de 2017

PSDB virou o PMDB do PMDB e, agora, os dois podem afundar abraçados a Temer e Aécio

O abraço de Temer e Aécio em 2016, quando o pmdbista assumiu interinamente a presidência.

NA CARTA ENDEREÇADA a Michel Temer em forma de artigo, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que aprovou no muque (maldosos usarão outro termo) a emenda da própria reeleição e agora defende mandato presidencial de cinco anos, fez um apelo ao bom senso do peemedebista para encurtar sua estadia no Planalto. O gesto seria, nas palavras do grão-tucano, uma demonstração de “grandeza”. Uma gentileza, claro, veja bem, se não for muito incômodo, faltou dizer FHC.

O convite antes revela um desejo do que um mero conselho, dado de graça pela principal liderança tucana. Temer renunciando, PSDB e PMDB tratariam com outros termos a estratégia para aprofundar o abraço mútuo que não levasse ao afogamento. Aqui entram dois cálculos políticos. Um é relativo à sobrevivência a curto prazo. O outro é eleitoral.

A essa altura, quando todos parecem alvejados, ninguém tem condições de deixar o aliado ferido na estrada. Sabe que vai precisar de amparo em breve. Na ausência de coisa melhor, fala-se em bom senso por desencargo de consciência.

Na vida real, não haveria janela de oportunidade maior para o primeiro presidente da República denunciado formalmente por um procurador-geral do que a desgraça do fiador da aliança com os tucanos, o senador e presidente afastado do PSDB, Aécio Neves (MG). Seu partido, que decidiu recentemente permanecer no governo, tem hoje quatro ministérios na Esplanada, entre eles a Secretaria do Governo e o Ministério das Relações Internacionais.

Em autoexílio desde que teve conversas divulgadas com o dono da JBS, Joesley Batista, Aécio poderia ter o destino selado pelos colegas peemedebistas no Senado caso o STF aceitasse o pedido de prisão e da perda do cargo feito pela Procuradoria Geral da República. O ministro Marco Aurélio, porém, decidiu atender um pedido da defesa do tucano, que teve o pedido de prisão rejeitado e poderá voltar ao Senado. Em seu argumento, o magistrado disse considerar normais, esperadas e decorrentes do exercício legítimo da função legislativa as críticas feitas por Aécio à atuação do ministro da Justiça –na conversa com Batista, ele detonava o ministro por não endereçar as investigações para os delegados certos, seja lá o que isso signifique.



Na semana passada, um indício de que o cálculo político pode ser determinante sobre o imbróglio jurídico foi dado pelo senador João Alberto Souza (PMDB-MA), presidente do Conselho de Ética que arquivou uma representação contra o tucano por não estar convencido das acusações.

Nos bastidores, o PMDB já sinalizava que só rejeitaria o pedido de prisão contra Aécio, se ele avançasse, caso os tucanos demonstrarem apoio incondicional.

Este apoio incondicional pode significar muita coisa, de votos às reformas ao abraço tóxico, em termos eleitorais, ao mandato de Temer.

Se não quiser virar réu, Temer precisará reunir forças em outra Casa, a Câmara dos Deputados, para a denúncia não ser remetida de volta ao Supremo Tribunal Federal, que pode determinar o afastamento do presidente do cargo caso haja acolhimento. Para avançar, o pedido precisa do apoio de dois terços dos deputados.

Em outras palavras: os deputados terão de mostrar aos eleitores a lealdade ou não a um presidente formalmente acusado e com atuais 7% de aprovação, segundo o Datafolha. A um ano da eleição, a escolha pode representar o suicídio político de quem até ontem bradava contra a corrupção e o ataque aos bons costumes da República. Daí o apego a um detalhe aparentemente banal, mas determinante para a sucessão das coisas: quando e como será a sessão? Na madrugada? No meio da semana? Ou num domingo à tarde, com todos os holofotes acionados, como aconteceu na sessão de impeachment de Dilma Rousseff?

FHC, que agora apela ao bom senso de Temer, poderia usar o mesmo argumento sobre o presidente afastado de sua legenda, que já mandou avisar ter uma memória boa dos últimos 20 anos de acordos e negociações como deputado, governador e, até pouquíssimo atrás, senador também afastado.

Falta combinar com quem não quer colocar a cabeça a prêmio para salvar a coroa. Segundo as contas da Folha de S.Paulo, três dos sete integrantes tucanos da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara pretendem votar a favor da admissibilidade da denúncia contra Temer – a análise é uma prévia da votação no Plenário. Apenas um parece disposto a sair em defesa do peemedebista.

Temer terá de apostar nos votos de outros partidos.

Em um ano, o PSDB se tornou o PMDB do PMDB, que hoje exige fidelidade integral mas observa um remedo de apoio calculado sob outros critérios, sobretudo eleitorais. Bom senso é outra coisa. (Do theintercept.com)

Silêncio de Rocha Loures está perto do fim

Rodrigo Rocha Loures (Foto: Reprodução / TV Globo)


A notícia chegou aos ouvidos do presidente Michel Temer por meio de alguns dos seus ministros: o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, flagrado correndo por uma rua de São Paulo com uma mala de dinheiro, decidiu fazer um acordo de delação premiada e está à procura de um novo advogado. O atual continua jurando de pés juntos que ele não delatará.

Pesou na decisão de Loures a renovada pressão da família, principalmente da mulher grávida e do seu pai, e as condições em que ele vive há mais de duas semanas numa cela da carceragem da Polícia Federal, em Brasília. Além de pequena, a cela carece de banheiro, janela, ventilação adequada e aparelho de televisão. Loures não tem companhia. Queixa-se da comida.

Foi ele quem pediu para deixar a Penitenciária da Papuda, onde ficou preso durante poucos dias. Alegou que se sentia inseguro ali e que fora ameaçado. Arrependeu-se. Agora acha que vive “no inferno”. A pressão da família e o isolamento numa cela da Polícia Federal também foram decisivos para que o ex-senador Delcídio Amaral delatasse.

Uma eventual delação de Loures significaria o fim do mundo para Temer. Segundo a denúncia de Rodrigo Janot, Procurador Geral da República, a mala de dinheiro que Loures recebeu do Grupo JBS se destinava a Temer. A mala acabou entregue por Loures à Polícia Federal. Dos R$ 500 mil que recebera, Loures ficou com R$ 35 mil. Devolveu-os mais tarde.

Se de fato delatar, o episódio de mala será só um detalhe de um copioso relato que Loures poderá fazer. Sua estreita ligação com Temer é antiga. Loures prestou relevantes serviços ao amigo. E, agora, está se sentindo abandonado por ele e pelos que o cercam.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Ministério Público conclui Inquérito sobre contratações de Shows no 25º FIG

Ana Carolina e Capital Inicial

O Portal V&C Garanhuns publicou documentos do Ministério Público de Pernambuco a cerca das investigações quanto a um suposto sobrepreço na contratação dos shows de Ana Carolina e de Capital Inicial, realizados em julho de 2015, durante o 25º Festival de Inverno de Garanhuns.

De acordo com o Relatório Técnico ao Inquérito Civil nº 94/2015 (confira clicando AQUI), emitido por Analistas Contábeis do MPPE, em 10 de abril de 2017, tendo como base a média dos valores de shows realizados no ano de 2015 pelas atrações, foi constatado que ocorreram pagamentos acima do valor de mercado no montante de R$ 139.545,25.

Diante da posição do Apoio Ministerial, o Promotor Domingos Sávio, titular da 2ª Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania de Garanhuns, emitiu Despacho, em 10 de maio de 2017, para que os responsáveis pelas contratações efetuassem, num prazo de trinta dias, o recolhimento aos cofres públicos municipais dos valores considerados em excesso pelo Ministério Público na contratação dos shows. Saiba mais sobre esse assunto clicando AQUI.

De acordo com a Procuradoria do Município, a Prefeitura de Garanhuns ainda não foi notificada oficialmente pelo MPPE e só irá se pronunciar quando tiver conhecimento dos fatos. O Blog do Carlos Eugênio segue a disposição do Governo Municipal de Garanhuns para publicar a sua versão quanto aos fatos registrados nesta reportagem.

Do Blog do Carlos Eugênio

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Tonho de Belo: “Não sou situação, não sou oposição, sou independente, sou a favor do povo, que são únicos a quem devo satisfação”; Veja entrevista completa em vídeo


Em entrevista exclusiva ao Blog do Cisneiros, o vereador Tonho de Belo do Cal responde ao prefeito Izaías Régis, que em entrevista a rádio jornal Garanhuns na última sexta-feira (23), disse “ter pena de Tonho, que por ter ido na onda dos Albinos, agora vai para oposição”.

Segundo Tonho, Izaías se equivoca ao coloca-lo na oposição, pois nunca foi situação, como também não se considera oposição, se considera sim “independente, a favor do povo”, os quais diz serem os únicos a quem deve satisfação aqui na terra como vereador. “Vim nessa terra e baixar a cabeça pra homem não pode, só tem um homem a quem devemos baixar a cabeça, o nosso pai, fora isso, só Jesus”.

Sobre a votação do projeto de reajuste dos professores aprovado no último dia 2 de junho, Tonho afirma estar até agora sem entender porque o seu colega, o vereador Audálio Filho, ter votado a favor do projeto, quando, em conversa horas antes, afirmou que não votaria no projeto sem a ementa proposta pelo vereador Zaqueu.

Veja a entrevista completa em vídeo:

Nesta quarta-feira (28) se inicia a primeira etapa da Vacinação Antirrábica


A Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Centro de Controle Ambiental de Garanhuns, nesta quarta-feira (28) na comunidade do Castainho e no Sítio Estivas, a primeira etapa da Vacinação Antirrábica. A campanha será realizada nos distritos, na zona rural e em outros pontos da zona urbana e o cronograma segue até o dia 12 de agosto. Os distritos de São Pedro, Miracica e Iratama; os sítios Cruz e Cachoeirinha e a comunidade Castainho também já têm datas marcadas para imunização dos animais de estimação. A vacinação assegura que os animais vacinados permaneçam protegidos por um ano e é destinada a cães e gatos a partir dos quatro meses de vida. A expectativa é que até agosto mais de 16 mil animais sejam vacinados no total. 

A segunda etapa, que terá cronograma divulgado em breve, ocorrerá subsequentemente priorizando áreas que, eventualmente, não tenham tido um bom percentual de cobertura vacinal e também no restante da zona rural. “Queremos atender a todo o município até o início de dezembro”, afirmou o diretor de Vigilância em Saúde, Marcos André.


A DOENÇA


A raiva é uma doença letal causando no paciente um quadro neurológico grave que evolui para óbito em poucos dias. A zoonose é transmitida pelo vírus rábico através de contatos com animais infectados (mordedura, arranhadura e lambedura).


CRONOGRAMA


28/06/2017 - Castainho (Unidade de Saúde) e Sítio Estivas

04/07/2017 - Massaranduba (Igreja do Pr. Miguel Argentino)

06/07/2017 - Miracica

11/07/2017 - Liberdade (PSF)

14/07/2017 - São Pedro (em frente à Igreja Católica)

18/07/2017 - Sítio Cachoeirinha

25/07/2017 - Várzea (Associação dos Moradores)

27/07/2017 - Iratama

01/08/2017 - Vale do Mundaú (Unidade de Saúde)

03/08/2017 - Sítio Cruz

12/08/2017 - Postos na zona urbana da cidade (exceto as localidades já visitadas)

(Da SECOM)

terça-feira, 27 de junho de 2017

Armando Monteiro participou de grande caminhada em Belo Jardim neste segunda-feira (26)


Ao participar de uma grande caminhada nesta segunda-feira (26) ao lado do candidato a prefeito de Belo Jardim, Hélio dos Terrenos (PTB), o senador Armando Monteiro (PTB-PE) afirmou que a vitória do aliado vai inaugurar um novo tempo para o município, marcado por futuras realizações. Armando, Hélio, lideranças locais e a militância percorreram as principais ruas do Centro e visitaram o mercado público e a feira livre da cidade, tradicional reduto comercial da cidade. O ex-prefeito Cintra Galvão, um dos principais expoentes da política de Belo Jardim, também prestigiou o ato político.

"Nós vamos inaugurar um novo tempo em Belo Jardim, um tempo de esperança, um tempo de realizações. Um tempo de compromissos com os verdadeiros interesses da população. Hélio é um homem do povo, é uma pessoa humilde, que conhece o sentimento popular. Queremos construir aqui uma grande parceria em favor do desenvolvimento dessa terra”, discursou o senador.


Armando Monteiro destacou que vai trabalhar junto com a futura gestão de Hélio dos Terrenos para atrair investimentos e gerar mais empregos para o município. “Juntos vamos cuidar do emprego, gerar oportunidades para os jovens, trazer empresas e indústrias para Belo Jardim porque essa cidade tem vocação para o desenvolvimento, a vocação de ser uma terra progressista, que tanto Pernambuco admira”, disse o líder petebista.

Na reta final da campanha, o senador Armando Monteiro convocou a militância para ir às ruas e garantir a vitória de Hélio dos Terrenos no próximo domingo. O candidato a prefeito lidera todas as pesquisas de intenção de votos em Belo Jardim. “Não se ganha eleição de véspera, mas vamos trabalhar até o último minuto para garantir essa grande vitória”, congregou o petebista.

Durante a caminhada, o senador Armando Monteiro fez uma homenagem ao maior líder político da história de Belo Jardim, o ex-prefeito e ex-deputado Cintra Galvão, um dos principais aliados de Hélio dos Terrenos. “Eu não poderia deixar de fazer um tributo aqui em Belo Jardim, um reconhecimento e uma homenagem à maior liderança da história do município, essa referência da política de Pernambuco, que é o meu amigo Cintra Galvão, que vai poder celebra no dia 2 de julho essa grande vitória”, cravou o parlamentar.

ELEIÇÃO SUPLEMENTAR - Os moradores de Belo Jardim vão às urnas no próximo domingo (2) para eleger o novo prefeito do município. A eleição suplementar ocorrerá após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassar, em maio passado, o mandato do ex-prefeito João Mendonça (PSB). Ele foi condenado por improbidade administrativa em seu primeiro mandato por prática de crimes de enriquecimento ilícito, dano ao erário público, pagamento de notas fiscais inidôneas, superfaturamento de obras, pagamento por serviços não executados e fraude em licitação.

(Assessoria do senador Armando Monteiro)

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Propinas, reformas e obstrução: as últimas provas de crimes contra Temer

O presidente Michel Temer na Rússia na semana passada MIKHAIL SVETLOV (GETTY IMAGES)

Não faltavam opções ao presidente Michel Temer. Anfitrião de uma reunião secreta com o empresário Joesley Batista, sócio do frigorífico da JBS, Temer podia mandar o velho conhecido pleitear suas demandas como qualquer pessoa, nos balcões dos órgãos públicos onde queria facilidades. Mas, na fatídica conversa de 7 de março, Temer ofereceu um atalho a Joesley e falou para ele tratar “tudo” com o deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), ex-assessor e homem da inteira confiança do presidente. Isso mudou tudo. Dias depois, Rocha Loures se encontrou com Joesley, disse falar em nome do presidente, e prometeu resolver um problema do empresário no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Em troca da facilidade, Rocha Loures pediu e levou R$ 500 mil de propina. Terminava, assim, a sequencia de ações, registradas em conversas gravadas por Joesley e comparsas, que colocou Temer na mira do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Como foi considerado o principal beneficiário da propina entregue pela JBS a Rocha Loures, Temer foi denunciado nesta segunda-feira por corrupção passiva. Mas não será só acusado disso. Como boa parte do caminho de propinas para Temer já está identificado, registrado em provas documentais e testemunhais, ele também deve sofrer outras acusações de corrupção passiva, obstrução de Justiça, participação em organização criminosa e lavagem de dinheiro, de acordo com investigadores entrevistados pelo EL PAÍS. Hoje, Rocha Loures está preso na carceragem da Polícia Federal e Temer, sem tantas opções, luta para não encontrá-lo tão cedo.

No convescote secreto, Joesley entrou no Palácio do Jaburu como alvo de cinco investigações em busca de trunfos para um acordo de delação premiada. Mas nem nos sonhos mais otimistas ele esperaria que o mais alto mandatário do país, normalmente descrito como um sujeito cerimonioso, verbalizaria tantas frases capazes de se incriminar. Joesley parecia entrevistá-lo, sem tanta desenvoltura ao alternar entre a confissão de um pagamento de propina e o pedido de um favor no governo. Embora normalmente se gabe de ser doutor em direito constitucional e autor de obras jurídicas de sucesso, Temer não teve grande hesitação na conversa. Quando o empresário falou em “pendências zeradas” com o ex-deputado Eduardo Cunha, o presidente respondeu: “Tem que manter isso, viu?”. Em outra confissão de pagamento de propinas por Joesley ao procurador Ângelo Goulart, Temer respondeu: "Ótimo, ótimo!". Essa conversa gravada será a base de uma acusação de obstrução de Justiça contra o presidente. Ao contrário do que a defesa de Temer alegou, o áudio da conversa entre Joesley e Temer não foi editado, de acordo com perícia da Polícia Federal.


Temer agora mobiliza toda a máquina do governo federal para servir aos interesses do Congresso e, em troca, barrar a abertura de ações penais. Para cada denúncia oferecida contra Temer, o Supremo Tribunal Federal só irá julgar se será aberta ação penal caso 342 deputados aprovem isso. Com boa parte do Congresso investigado na Operação Lava Jato, negociatas de Temer com os parlamentares ainda podem reforçar uma outra acusação no caminho do presidente: participação em organização criminosa. Mas, ainda que Temer escape temporariamente de processos com a ajuda providencial dos parlamentares, ele está fadado a enfrentar ações penais na Justiça comum quando terminar o mandato presidencial. De acordo com assessores de Janot entrevistados pelo EL PAÍS, eventual blindagem do Congresso a Temer não impede que o presidente seja denunciado pelos mesmos fatos quando acabar o governo. E não serão poucas ações penais, pelas provas obtidas até agora.

O mapa da propina de Temer

Também está no caminho de Temer outra ação penal por atos de corrupção passiva e lavagem de dinheiro cometidos com o frigorífico JBS antes do mandato presidencial. De acordo com a delação premiada de Florisvaldo Oliveira, o entregador de propinas da JBS, foi entregue uma caixa com R$ 1 milhão em espécie a um velho amigo e operador de Temer, o coronel aposentado João Baptista Lima Filho. O dinheiro foi repassado em 2 de setembro de 2014 na sede da Argeplan, uma das empresas do coronel, na Rua Juatuba, 68, em Vila Madalena, Zona Oeste de São Paulo. A remessa poderia motivar apenas uma acusação de caixa dois – os delatores da JBS não sabiam qual seria o destino do dinheiro nem falaram em nenhuma contrapartida. De acordo com os delatores da JBS, o dinheiro fazia parte de uma partilha total de R$ 15 milhões que a JBS deu para Temer entre agosto e outubro de 2014. De acordo com os delatores, Temer dividiu o dinheiro da seguinte forma: doações oficiais (R$ 9 milhões), pagamento do marqueteiro Duda Mendonça (R$ 2 milhões), entrega de dinheiro ao ex-deputado Eduardo Cunha (R$ 3 milhões) e uso pessoal na entrega para o coronel Lima (R$ 1 milhão).

Não fosse a entrega da JBS para Lima, Temer poderia se desvencilhar da acusação de que se beneficiou pessoalmente desses pagamentos. Mas a Operação Patmos, deflagrada em 17 de maio, obteve provas documentais de que o coronel custeava despesas pessoais da família de Temer. Foram achados e-mails e notas fiscais de fornecedores e prestadores de serviço de uma reforma na casa de uma das filhas de Temer, Maristela. Ao invés de cobrar a dona da casa, ou algum familiar, esses prestadores de serviço cobraram o coronel e faturaram os pagamentos em nome de Lima no segundo semestre de 2014. Ou seja, enquanto o coronel recolhia a propina da JBS, a casa da filha de Temer era reformada com despesas pagas por ele.

Mas não foi só da JBS que Lima recolheu propina em 2014. Em outubro do mesmo ano, ele recebeu pouco mais de R$ 1 milhão, diretamente em uma conta bancária, a mando da empreiteira Engevix. O pagamento foi confirmado por Lima, mas ele negou que fosse propina e, sim, a prestação de algum serviço que ele não quis revelar para a Alúmi Publicidade, uma prestadora de serviço do Aeroporto de Brasília (controlado pela Engevix). O repasse de propina foi revelado pelo empresário José Antunes Sobrinho, sócio da Engevix, em proposta de delação premiada, mas ele não deu detalhes de como o dinheiro foi recebido pelo coronel. A confirmação do pagamento de cerca de R$ 1 milhão, a mando da Engevix, para a PDA Projeto, outra empresa de Lima, foi revelada pela revista ÉPOCA em junho do ano passado. O coronel tinha escapado de investigações até agora porque a delação premiada da Engevix foi recusada por Janot em março de 2016, um mês antes de Temer assumir a presidência da República. E os crimes eram, teoricamente, anteriores ao mandato presidencial. Mas, com as novas provas contra Lima e Temer, o sócio da Engevix pode ser convocado como testemunha.

Ex-assessor de Temer na Secretaria de Segurança Pública de São Paulo nos anos 80, Lima até ajudou no primeiro divórcio de Temer. Parecia remoto o risco do coronel arrastar o velho amigo para alguma investigação enquanto Temer estivesse no Olimpo presidencial, protegido do julgamento de crimes anteriores ao mandato. Mas Lima não saiu do lugar, tinha no velho escritório guardadas as provas documentais dos favores ao presidente e Temer já não pode oferecer atalhos sem medo de gravações. (Do El País)

domingo, 25 de junho de 2017

Morte na Venezuela

Um manifestante, durante uma mobilização em Caracas no passado dia 23. FEDERICO PARRA (AFP)

O assassinato de um jovem durante um protesto contra Nicolás Maduro, cujas imagens foram amplamente difundidas, mostra sem panos quentes qual é a atitude do regime venezuelano ante a crise institucional que o país atravessa. Enquanto um agente da Guarda Nacional Bolivariana disparava praticamente à queima-roupa contra David Valenilla, causando a morte desse jovem de 22 anos, o presidente dizia cinicamente à imprensa internacional que sua polícia utiliza apenas “água e um pouco de gás lacrimogêneo” contra os manifestantes porque as armas letais “estão proibidas”. A cifra de mortos desde que começaram os protestos já chega a pelo menos 76, e aumenta quase diariamente.

Lamentavelmente, Maduro parece estar comodamente instalado nesta espécie de guerra de baixa intensidade contra os manifestantes à espera de que a população se amedronte ou se canse de protestos que não o fizeram recuar um milímetro de seus planos de aferrar-se ao poder. Por isso, segue em frente com sua convocação de eleições para uma Assembleia Constituinte para 30 de julho, um processo eleitoral desacreditado tanto dentro como fora da Venezuela por representar uma manobra grosseira para não respeitar a lei vigente.

É absolutamente lamentável e inaceitável que um país como a Venezuela esteja se transformando em um pária internacional. Que não nos enganemos pelo fato de a Organização dos Estados Americanos (OEA) não ter aprovado uma condenação ao regime de Maduro. Basta comparar a lista de países que votaram contra ou se abstiveram (entre eles, São Cristóvão e Névis e São Vicente e Granadinas) com a de quem pedia uma condenação (Brasil, Argentina, México, Colômbia, Chile e outros) − para demonstrar a solidão de um Nicolás Maduro empenhado em uma sangrenta corrida em direção a lugar nenhum. (Editorial do El País.com)

sábado, 24 de junho de 2017

Ator Fábio Assunção é detido no São João de Arcoverde após confusão com a polícia militar, em Pernambuco; Veja os vídeos

O ator Fábio Assunção e sua namorada a atriz Pally Siqueira

O ator Fábio Assunção foi detido, na madrugada deste sábado (24), no São João de Arcoverde, no Sertão de Pernambuco. Ele teria quebrado o vidro de uma viatura policial e xingado militares. A detenção foi confirmada pela Polícia Militar de Pernambuco.

Testemunhas informaram que o ator estava sob efeito de álcool e teria se exaltado após o carro em que ele estava bater em uma viatura policial. Fábio, que estava no banco do carona, teria descido do veículo e se alterado. Ele foi detido e levado, inicialmente, para uma unidade hospitalar. Em seguida, ele foi levado para a Delegacia de Polícia da 156ª Circunscrição de Arcoverde.

No local, o ator chegou por volta das 6h e foi autuado em flagrante por dano ao patrimônio público e desacato e será encaminhado para a audiência de custódia, que é quando o juiz definirá se ele será levado para o presídio ou não. Fábio e a namorada, a atriz Pally Siqueira, que é natural de Arcoverde, estão em Pernambuco para o lançamento do documentário Eu sonho para você ver, marcado para ontem, naquele município do Sertão.

Vídeos que circulam nas redes sociais mostram o ator em estado de aparente embriaguez (chega a cair no chão em uma das imagens), discutindo com pessoas na rua e, depois, já com o dia claro e dentro do camburão - cujo vidro traseiro teria sido quebrado pelo próprio no mesmo da prisão.

Neste segundo vídeo, Assunção segue alterado, esmurrando o veículo e gritando. Entre os trechos em que é possível entender exatamente o que ele diz estão frases como "Chama o sargento, chama o sargento... vou ser preso é o c*******. Quero olhar no olho dele. Desacato é ele que fez agora. Ele me algemou. Não sou criminoso... Filho da p***". A reportagem não conseguiu contato com a assessoria de imprensa do ator.



Tratamento de reabilitação


Em 2009, em entrevista ao Fantástico, da TV Globo, Fábio Assunção revelou que fez tratamentos em diversas clínicas de reabilitação. Ele decidiu pelo internamento porque ele teria sido afastado de uma novela por conta de atrasos.

Em abril do ano passado ela já fora detido em uma blitz no Rio. Policiais afirmaram que ele estava embriagado.

Meses antes ele já havia dado problemas à Globo devido a faltas em gravações da novela “Totalmente Demais”.

Em entrevista exclusiva a esta coluna, à época, ele afirmou que a falta ocorreu porque ele teve “um problema gástrico causado por má alimentação”.

Segundo esta coluna apurou, não era verdade.

O ator de 45 anos não só vem recaindo nas drogas e no álcool nos últimos dez anos, como também recusou quase que todo tipo de ajuda que lhe foi oferecida.

Por várias vezes, desde 2008 -quando foi detido por policiais federais em companhia com um traficante em um flat, em São Paulo-- a Globo se ofereceu para bancar tratamentos do ator. Ele sempre se recusou.

No entanto, por conta própria chegou a se internar algumas vezes, além de fazer terapias, mas acabou abandonando os tratamentos.

Amigos também tentaram ajudá-lo de todas as formas. Desde a indicação de clínicas e médicos especializados até sugestões para que se envolvesse em alguma religião.

Uma dessas sugestões foi que ele tomasse o Santo Daime, bebida ritualística que contém alcalóides (alucinógenos) e com supostas propriedades positivas no combate ao alcoolismo e à adicção às drogas. Isso teria ocorrido cerca de seis anos atrás.

Após ingerir a bebida, porém, o ator teria vivenciado o que se chama de “peia” --ou uma “bad trip”-- e nunca mais se aproximou do Daime novamente.


Veja os três vídeos que circulam pelas redes sociais:




Com informações da Folha de Pernambuco, Diário de Pernambuco e do colunista da TV e Famosos Ricardo Feltrin

sexta-feira, 23 de junho de 2017

PF conclui perícia de áudio de Joesley e inquérito sobre obstrução de Justiça


A Polícia Federal vai encaminhar nesta sexta-feira ao ministro Edson Fachin, do STF, a conclusão do inquérito que investiga o presidente Michel Temer. Conforme antecipou a Coluna ontem, os peritos finalizaram hoje o laudo da análise das gravações feitas pelo empresário Joesley Batista de conversa com o presidente Michel Temer no Palácio do Jaburu. O diálogo foi entregue por Joesley como prova do que disse em delação premiada. Ele acusou o presidente de receber propina da JBS, da qual é sócio.

Clique na imagem para ampliar
Na semana passada, os delegados apontaram indícios de corrupção envolvendo o presidente. No inquérito de hoje, vão dizer se há ou não indício de crime de obstrução de Justiça.  Essa parte depende da perícia porque na conversa o empresário Joesley Batista disse ao presidente que estava cuidando do ex-deputado Eduardo Cunha e do operador Lucio Bolonha Funaro quando Temer responde: “Tem que manter isso”. Segundo a PGR, Joesley se referia a pagamentos feitos aos familiares dos dois presos em troca de não fazerem delação premiada.

A partir da conclusão do inquérito pela PF, a PGR tem prazo de cinco dias para apresentar denúncia contra o presidente Michel Temer ou pedir o arquivamento. Se a denúncia for apresentada, o que é mais provável, 2/3 dos deputados têm que autorizar a abertura de processo pelo STF contra o presidente da República. Antes de seguir para o plenário, o caso é analisar pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. O relatório nessa etapa precisa ser aprovado por maioria simples, mas mesmo que a abertura de processo for rejeitada ele segue para o plenário. (Do Estadão.com)

Perguntar não ofende: Operação Força em Foco ou Operação Força na Arrecadação, eis a questão?


Deflagrada desde a manhã desta quinta-feira (22) a Operação Força em Foco chama a atenção da população em várias cidades Pernambucanas, pelo seu tamanho operacional e quantitativo de policiais envolvidos, tanto civis, quanto militares, com apoio da Polícia Rodoviária Federal.

Aqui na cidade de Garanhuns, no agreste meridional pernambucano, a população de inicio ficou curiosa para saber do que se tratavam tantos policiais na rua, para logo em seguida, à medida que a informações iam surgindo através dos Blogs da cidade e região, as pessoas antes curiosas passaram a ter um sentimento de desconfiança, onde muitos diziam: “Se está nova forma, modelo, do estado lidar com a criminalidade for de agora em diante permanente e efetiva, ótimo, o governador Paulo Câmara esta de parabéns. Mas, se está operação toda, com todo este deslocamento de pessoal e equipamentos, tiver o único intuito de arrancar, através da força e coerção policial, a cota do IPVA dos contribuintes que por algum motivo ainda não pagaram, aí sim, podemos dizer que este governador que esta aí não merece nem se quer exercer o cargo que exerce.” Finaliza um morador da cidade.

Equipamentos já apreendidos pelo Estado
durante a noite em Bares da Cidade
vistoriados durante Operação Força em Foco
Pelo que apuramos e vimos durante todo o dia de ontem (22), este sentimento deste popular, não reflete só a sua opinião, mais a opinião e o sentimento da maioria dos garanhuenses, já desconfiados e ressabiados com as trapalhadas e as promessas nunca cumpridas do governador Paulo Câmara para com Garanhuns e região, a exemplo do novo hospital regional, prometido pelo já falecido ex-governador Eduardo Campos e reprometido e nunca cumprido por Paulo. Para não citar outras promessas mentirosas de uma lista infindável. Como as das cinco barragens em 2010 nas cidades arrasadas pelas fortes chuvas naquele ano e até agora só duas saíram do papel.

Acreditamos, nós do Blog do Cisneiros, que se o hoje governador Paulo Câmara (PSB), tem mesmo a intenção de dar uma nova marca a seu governo nesta questão da segurança pública, ou como bem diz o deputado estadual Álvaro Porto (PSD), da insegurança pública, está operação tem de ser permanente, como bem diz o popular acima.

Não só com este tipo de operação, mas com forte investimento no ser-humano por trás da farda, por trás do distintivo, pois, segundo acreditamos, só assim teremos melhores resultados a comemorar nesta área.

Cervejas apreendidas pelo Estado
durante a noite em Bares da Cidade
vistoriados durante Operação Força em Foco
Hoje o ser-humano por trás da farda, do distintivo, é desprovido de uma boa remuneração, como também não tem a assistência adequada do estado para lhe proporcionar e a sua família, uma boa assistência medica e habitacional. Onde muitos bravos soldados e policiais tem de muitas vezes morar, por falta de condições, lado a lado com o bandido que amanhã vai prender. Colocando assim em risco a sua vida e da sua família.

Agora, cirando ainda o popular já mencionado, se esta operação toda, com todo este deslocamento de pessoal e equipamentos, tiver o único intuito de arrancar, através da força policial, a cota do IPVA dos contribuintes que por algum motivo estão em atraso, aí sim, veremos o governador com índices ainda maiores de impopularidade dos que já tem.

Bares e restaurantes da cidade também serão alvos do Corpo de Bombeiros e vigilância sanitária, para avaliar se todos estão de acordo com a Lei. Segundo o responsável pela operação, se irregularidades forem encontradas, os estabelecimentos poderão ser fechados. "Alguns desses locais já foram apontados previamente pela Polícia Militar e vamos averiguar", disse.

A sonegação de impostos também será alvo da Operação. Auditores da Receita estarão fiscalizando trânsito de cargas, para verificar se existe esse tipo de crime. "Além disso, a Polícia Federal vai investigar a atuação de empresas de segurança", disse o encarregado da operação.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Ciclo Orçamentário de Garanhuns teve início no Distrito de Miracica


Nesta terça-feira (20), na Escola Salomão Rodrigues, no Distrito de Miracica, foi realizada a primeira reunião de apresentação do Ciclo Orçamentário de Garanhuns. Visando a integração da comunidade na construção do Orçamento do município, representantes da Secretaria de Planejamento e Gestão divulgaram informações do que o Governo Municipal arrecada e como este recurso pode ser utilizado para a manutenção de serviços, programas sociais e um efetivo planejamento de ações.

Os próximos encontros serão, sempre às 15h, no Distrito de Iratama - Escola Julião Capitó (22/06), Distrito de São Pedro - Escola José Ferreira Sobrinho (26/06), CAIC - Escola Municipal Prof. Antonio Gonçalves Dias - Rua Ebenezer Furtado Gueiros, S/Nº - Heliópolis (28/06) e Escola Monsenhor Tarcísio Falcão - Praça Campos Sales, 32 - Magano (30/06).

De acordo com o secretário executivo de Planejamento e Gestão, Wellington Xavier, a participação popular nas audiências do ciclo orçamentário, é uma oportunidade ímpar que toda a sociedade local tem, de opinar sobre os rumos, ações e investimentos dos órgãos públicos. “É uma forma precisa de espelhar os anseios do povo, nos projetos e atividades da Prefeitura e, também, da Câmara Municipal. Estamos confeccionando o novo Plano Plurianual (2018 a 2021), que fará a integração das propostas populares, somadas a manutenção do custeio da máquina e também ao Plano de Governo apresentado no último pleito eleitoral municipal. No mesmo grau de importância, queremos ouvir os cidadãos locais, quanto ao feitio da Lei Orçamentária Anual, para que tenhamos eficiência, eficácia e a efetividade nas atividades desenvolvidas pela Prefeitura em prol de seu povo”, explica.

Todas as reuniões são abertas a toda a sociedade local. Após as apresentações e coletas de necessidades é formatado um documento para encaminhar à Câmara Municipal de Vereadores, que será a responsável pela aprovação do que foi proposto.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Reforma política tem brechas que mantêm desequilíbrio entre siglas

Plenário do Senado, que deve debater a proposta de reforma política

Já bem esvaziada, a proposta de reforma política em discussão no Congresso tem brechas que permitem o desequilíbrio econômico entre as campanhas eleitorais.

Em 2015, o STF (Supremo Tribunal Federal) proibiu o financiamento empresarial dos candidatos sob o argumento, entre outros, de que ele tornava o jogo político desigual e quebrava o princípio de isonomia na disputa.

Na próxima semana, a comissão especial da Câmara que debate o assunto deve votar relatório do deputado Vicente Cândido (PT-SP). Na parte que restou do financiamento privado –a doação de pessoas físicas e o dinheiro colocado pelos próprios candidatos– os limites foram ampliados, permitindo disparidade econômica.

Hoje, o cidadão pode financiar candidatos com valores que não ultrapassem 10% de seus rendimentos brutos. Cândido deve estabelecer um teto mais amplo: até R$ 60 mil, com limite de R$ 10 mil por cargo disputado.

Já o autofinanciamento tem regras mais permissivas. Em seu relatório inicial o petista proibia que o candidato colocasse dinheiro em sua própria campanha. Devido à resistência dos partidos, ele agora negocia com deputados os seguintes tetos: R$ 200 mil para deputado estadual, R$ 400 mil para federal, R$ 600 mil para senador, R$ 800 mil para governador e R$ 1 milhão para presidente da República.

A principal crítica ao autofinanciamento é a de que candidatos ricos, quase sempre empresários, levam enorme vantagem sobre a os demais. O petista disse que o relatório ainda será alterado.



DISTRITÃO


Um dos principais pontos da reforma deve ser a criação de um fundo público para financiar os candidatos, uma reação do Congresso à decisão do STF de proibir o financiamento empresarial.

O novo fundo terá R$ 3 bilhões, pelo relatório de Cândido, mas deputados e senadores querem algo mais próximo dos R$ 6 bilhões.

Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), também vão tentar emplacar uma mudança no atual modelo de eleição dos deputados. A ideia é ressuscitar para a eleição de 2018 o chamado "distritão", proposta rejeitada pelo Congresso em 2015.

Por esse modelo, os mais votados são eleitos. No atual, as cadeiras são distribuídas com base na votação total dos candidatos de um partido ou coligação, o que tem o objetivo de fortalecer a identidade partidária. A ideia é aprovar a mudança até outubro para que ela passe a valer já nas próximas eleições.

O "distritão" tem como uma de suas consequências tornar sem efeito cerca de 60% dos votos dados pelos eleitores. Esse percentual reúne votos dados aos candidatos não eleitos, mais os direcionados em excesso para os mais bem votados. No atual sistema, o percentual de votos "desperdiçados" fica em menos de 10%.

A opção pelo "distritão" ganhou força porque tanto a Justiça Eleitoral quanto os partidos consideram inviável a adoção de um sistema distrital misto já nas próximas eleições, uma vez que seria necessário debater a separação de Estados e municípios em distritos e preparar as urnas eletrônicas para as votações.

A partir de 2022 passaria a valer o distrital misto –pelo qual metade das cadeiras é preenchida por votação em distritos menores do que os Estados e municípios, e a outra metade, por uma lista de candidatos definida pelos partidos. (Da Folha.com)

Aniversário de Lagoa Grande no sertão Pernambucano

O Deputado Gonzaga Patriota – PSB/PE

Discurso pronunciado pelo Deputado GONZAGA PATRIOTA – PSB/PE


Na Sessão do dia 20/06/2017.


Senhor Presidente,
Senhoras e Senhores Deputados,


ANIVERSÁRIO DE LAGOA GRANDE/PE


Na última sexta-feira, 16 de junho, foi comemorado o aniversário de emancipação política do município de Lagoa Grande, no meu Estado de Pernambuco. Desmembrado do território de Santa Maria da Boa Vista, o município de Lagoa Grande foi criado em 16/06/95, com base na Lei Estadual Complementar nº 15 de 1990.

Essa Lei permite a um município ou vila solicitar emancipação, desde que atenda alguns requisitos, tais como ter população superior a 10 mil habitantes e que o total de eleitores seja maior que 30% desta população. Tive o privilégio, quando fui Deputado Estadual, de ser o autor do projeto que emancipou Lagoa Grande.

Lagoa Grande une paisagens características do sertão dominadas pela caatinga. Dentre os locais de interessante visitação estão a Vitivinícola Santa Maria (Minhoto), com o plantio de uva e a produção do vinagre e vinho tinto, e a Fazenda Agroisa, com a produção de aspargos.

As fazendas de Lagoa Grande estão abertas à visitação pública para que os visitantes conheçam o processo de elaboração vinícola, desde o plantio da uva até o acondicionamento do vinho. Durante a feira da uva e do vinho, realizada todo ano, há shows com artistas locais, feiras de artesanato regional e um festival folclórico com bandas de pífano, quadrilhas, pastoris e reisados.

É possível, Senhor Presidente, aproveitar ainda os passeios nas ilhas, praias fluviais e corredeiras do rio São Francisco. Os banhos também fazem parte do atrativo turístico do município.

O artesanato em couro se destaca com uma enorme variedade de artigos, a exemplo de malas, bolsas, tapetes, etc. A gastronomia local é famosa pelo prato “rubacão” com queijo de coalho, conhecido também por baião de dois, feito à base de feijão de corda, arroz, carne de sol ou charque desfiada e queijo de coalho.

O folclore traz manifestações culturais como a banda de pífano e a dança do Congo, tradicionalmente composta por negros que, durante a cerimônia, contam a história dos escravos em suas loas. A Festa de Nossa Senhora do Rosário, em outubro; a de Nossa Senhora dos Remédios, em setembro; e a Festa da Uva e do Vinho são ocasiões para o turista conferir a dança do Congo.

Localizado na região de desenvolvimento do São Francisco, o município de Lagoa Grande é hoje um dos maiores produtores de vinho do país. Lá estão localizadas as maiores vitivinícolas da região.

O Polo Vitivinícola do São Francisco reúne ainda os municípios de Santa Maria da Boa Vista e Petrolina. Responsável por 95% da uva de mesa cultivada no Brasil e pela produção de 5 milhões de litros de vinho por ano, a região vem se destacando como modelo de desenvolvimento para o Nordeste. A vinicultura pernambucana já detém 15% do mercado nacional e emprega diretamente 30 mil pessoas no Vale do São Francisco, única região que produz duas safras por ano.

Com cerca de 7 mil hectares de plantação de uva de mesa e mais de 500 hectares de uvas viníferas, o Estado atrai diversas fazendas e empresas, entre nacionais e europeias. Das dez empresas instaladas na região, três são pernambucanas. Elas produzem, anualmente, 4 milhões de litros, que percorrem o mundo com as marcas Botticelli, Bianchetti e Adega do Vale.

Lagoa Grande tem uma população de quase 30 mil habitantes e tem como limites: ao Norte com Santa Cruz, ao Sul com Petrolina e o rio São Francisco, a Leste com Dormentes e a Oeste com Santa Maria da Boa Vista.

Gostaria, Senhor Presidente, de encaminhar a cada cidadão de Lagoa Grande, inclusive seus dirigentes, o Prefeito Vilmar Cappellaro e sua competente equipe, os meus cumprimentos pela passagem do aniversário de sua emancipação política. Tenho certeza que esse querido município do Vale do São Francisco continuará trilhando o caminho do sucesso e do desenvolvimento.


Conte comigo aqui em Brasília/DF.

Deputado GONZAGA PATRIOTA
PSB/PE