segunda-feira, 22 de maio de 2017

EXEMPLOS EXIGEM EXEMPLOS


Por Givaldo Calado de Freitas


Que bom dia você me confere com seu texto.

Texto objetivo, direto, lúcido, claro. Absolutamente, Cristalino. E que aponta saída para nosso país: a nossa presença à solução desse impasse a que chegou a nação brasileira. 

Mas eu fico a me perguntar: será que temos uma nação preparada para essa empresa? Que exige grandeza. Que exige tomada de posição. Que requer afirmação. Que pressupõe presença. Que sugira massacre aos traidores da pátria. Que importem em expurgos daqueles que, com desfaçatez e ganância, estão ou estiveram no poder, e desse poder, parece não quererem ou não quiseram se afastar?

Será que a partir da própria nação, damos o exemplo do que queremos. Do que vamos fazer... para sermos um país pelo menos mais  próximo do que sonhamos e desejamos? 

A via é dupla. Se queremos exemplos, temos que dar exemplos. E eu tenho dúvida que nossa nação venha dando exemplos na mesma medida que exige exemplos de seus mandatários.

A verdade é que nossos mandatários estão lá, porque fomos nós que os colocamos lá. Donde a pergunta que cada um de nós, milhões de eleitores, cabe fazer: será que os escolhemos de maneira livre, consciente e independente, como propõe a democracia?

Espero que a nação brasileira encontre uma saída para esse imbróglio, e que este lhe sirva de exemplo para o futuro. E este é agora. É hoje.

Por enquanto, BASTA! Não suportamos mais tamanhos desacertos. Estes em vias duplas. Do eleitor e dos eleitos.

Queremos o império da seriedade, da honradez, da dignidade, da integridade... E não me seria custoso acreditar que podemos conquistá-lo. E essa crença que tenho não encerra nenhuma premonição de minha parte. Basta querermos. Senão haveremos de continuar vertendo água nos olhos, perplexos e com baixa estima como nos ocorre em nossos dias a dia. Embora ainda pouco, sobretudo se o impasse perdura e cresce de forma exponencial.


Givaldo Calado de Freitas é ex-vereador, empresário do ramo de hotelaria e construção civil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário