terça-feira, 30 de maio de 2017

Em delação, Joesley Batista diz que Aécio pediu para ele comprar imóveis no Rio e em BH para pagar dívidas

O senador afastado Aécio Neves (PSDB)

O senador afastado Aécio Neves (PSDB) divulgou nessa semana um vídeo dizendo que jamais ganhou dinheiro com a vida pública, mas, de acordo com a delação do empresário Joesley Batista, dono da JBS, milhões de reais eram repassados ao senador em um esquema que envolvia compra e venda de imóveis em diversas cidades.

No último dia 18, a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Patmos, na qual cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Aécio. Na ocasião, a irmã do senador, Andrea Neves, e um primo dele, Frederico Pacheco, foram presos.

Segundo as delações de Joesley Batista, o prédio onde mora a mãe de Aécio é uma cobertura de dois andares com piscina e vista para a praia. O condomínio mensal é de R$ 18 mil e fica no bairro nobre de São Conrado, Zona Sul do Rio de Janeiro. Ainda de acordo com o empresário, o apartamento seria usado em um esquema para repassar R$ 40 milhões a Aécio Neves. A intermediária seria a irmã do senador, Andrea Neves, presa no dia 18, na Grande BH.

A negociação teria sida feito com Batista no mesmo dia em que, segundo o empresário afirmou, Aécio teria lhe pedido R$ 2 milhões.

Joesley: O dia que a Andrea me procurou. Ele me pediu esses R$ 2 milhões e me pediu e falou que precisava de outros R$ 40 milhões. E que os R$ 40 milhões a mãe dela tinha um apartamento no Rio de Janeiro, se eu não queria comprar esse apartamento... pra poder... e parece que o apartamento existe. Eu não sei se vale os R$ 40 milhões. mas aí eu nem fui lá, nem nada.

Procurador: esse apartamento seria de quem?

Joesley: seria da mãe dela. Onde a mãe dela mora. Da mãe deles.

Procurador: e eles estavam precisando de R$ 40 milhões?

Joesley: e sugeriram que eu comprasse o apartamento da mãe com R$ 40 milhões.

O Fantástico pediu a opinião de 12 corretores do Rio de Janeiro.

Nenhum considerou que o apartamento valha mais que R$ 20 milhões.

“Eu acho que não cabe R$ 40 milhões naquela região que a gente tá falando. Eu acho absurdo”, falou o corretor Renato Moura.

O Fantástico perguntou para um especialista em imóveis de luxo uma estimativa do real valor do imóvel. Ele aceitou dar entrevista, com a condição de não ter seu nome divulgado.

“Nós estaríamos falando numa faixa de R$ 17 a R$ 18 milhões, para estar muito bem vendido. R$ 40 milhões nem pensar? Não, não tem chance. R$ 40 milhões comprava dois desse”.

Em nota ao Fantástico, a assessoria do senador disse que "o imóvel é uma cobertura duplex de 1,2 mil metros quadrados", que "foi avaliado entre 35 e 40 milhões de reais" e que pertence a uma 'pessoa jurídica de propriedade exclusiva da mãe do senador".

A nota confirmou ainda que "a venda foi proposta ao empresário Joesley Batista pela irmã do senador Aécio Neves". E que o imóvel "é de propriedade da família há mais de 30 anos e foi avaliado por corretores autorizados".

A assessoria apresentou uma avaliação, feita por uma corretora de São Paulo, avaliando o imóvel em R$ 36 milhões.

Um site da Secretaria Municipal de Fazenda do Rio faz simulações dos valores de imóveis. O usuário, que precisa ser cadastrado, informa o endereço, o número de inscrição no IPTU e o site estima o valor. Pra este imóvel, o resultado é R$ 15 milhões.

Em um vídeo divulgado na internet essa semana, Aécio Neves se defendeu das acusações de que pretendia usar o apartamento como forma de receber propina. “Fiz isso porque não tinha dinheiro. Não fiz dinheiro na vida pública. E eu reafirmo aqui: não cometi qualquer crime”.

A verba da cobertura para o grupo de Joesley Batista acabou não se concretizando, mas ainda segundo a delação do empresário, outro prédio, em Belo Horizonte, também teria sido usado no esquema.

No prédio funcionava o jornal "Hoje em Dia", na Região Centro-Sul da capital mineira. Na delação, Joesley Batista disse que o Grupo J&F comprou o imóvel como parte de uma negociação pra repassar dinheiro ao hoje senador afastado Aécio Neves.

“Em 2015, ele seguiu precisando de dinheiro, e eu acabei, através da compra de um prédio, não sei como lá em Belo Horizonte, por 17 milhões, esse dinheiro chegou nas mãos dele. E depois no ano seguinte, em 2016... ele dizendo que esses 17 milhões era para pagar restos de campanha, e tal”.

O prédio ocupa dois terrenos, com números diferentes. Nos registros, o valor de compra foi de R$ 18 milhões.

Ricarco Saud: esse prédio é o seguinte... O Aécio, desculpa a palavra, virou uma sarna em cima do Joesley. Ficava ligando: ele, a irmã, o primo, pra mim, pro Joesley... 24 horas... que ele saiu da campanha devendo demais, que precisava acertar a vida dele... que tava com dificuldade muito grande, que não tinha como não fazer e tal.

Procurador: pedindo dinheiro?

Saud: pedindo dinheiro... dinheiro... dinheiro... propina... dinheiro não, propina. Propina... Propina...

A J&F não está usando o prédio para nada. Ele está fechado. A documentação do imóvel mostra que o processo de compra e venda não seguiu os padrões que se espera de uma negociação envolvendo milhões de reais.

Antes da venda, o prédio era alvo de uma sequência de penhoras devido a pendências trabalhistas da Ediminas, dona do jornal "Hoje em Dia". Apesar disso, a J&F foi adiante com o negócio.

O que seria arriscado e também um motivo pra desvalorização do imóvel, segundo o presidente da Comissão de Direito Imobiliário da Ordem dos Advogados do Brasil, em Minas Gerais. “Se observa um imóvel de alto risco porque tem várias ações contra a empresa vendedora. Seria comum um pagamento com valor inferior a R$ 18 milhões”, disse Kênio Pereira.

Joesley Batista disse que sabia que o prédio era do jornal, mas reforçou que a compra seria para beneficiar Aécio Neves.

MP: quem indicou?

Joesley: era uma pessoa ligada a ele. Um amigo dele que tem esse imóvel. Aí, esse dinheiro deve ter chegado a mão dele de alguma forma.

Procurador: o que que funciona nesse prédio hoje?

Saud: nada... tá lá tentando vender pela metade do preço, não vende... Tá à venda... Nós não precisávamos dele nada... Foi única e exclusivamente para atender um pedido do senador Aécio.

Em nota, o senador afastado Aécio Neves diz que desconhece a compra ou venda de prédio da JBS em Belo Horizonte, e que são falsas as declarações dadas por Joesley Batista.

Na escritura de compra e venda, a empresa dona do prédio foi representada por Flávio Jacques Carneiro, que na época era um dos donos, e Antônio Carlos Tardeli, que era executivo da empresa.

A reportagem procurou os dois. Por e-mail, eles afirmaram que não houve superfaturamento, nem repasse de valores a Aécio Neves e que os pagamentos foram creditados para o jornal "Hoje em Dia".

Em março de 2016, uma ação judicial pediu o bloqueio do pagamento para cobrir pendências trabalhistas do jornal, mas segundo o Ministério Público do Trabalho (MPT), o dinheiro não foi encontrado.

Mas, segundo os promotores, o dinheiro pago pelo Grupo J&F nunca foi encontrado.

O repórter Ismar Madeira pergunta ao procurador do MPT Victorio Rettori se o dinheiro sumiu. Ele responde que não se sabe. “Houve uma alegação de que esse dinheiro teria sido utilizado para o pagamento de dívidas do jornal Hoje em Dia, mas não há no processo documentos que comprovem essas alegações”.


Operação Patmos


A Operação Patmos foi deflagrada com base nas delações de executivos da JBS no âmbito da Operação Lava Jato. Em razão do que foi informado, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Edson Fachin afastou Aécio Neves do mandato parlamentar. O STF também liberou o conteúdo da delação dos donos da JBS; veja principais pontos.

Na diligência, a PF descreve ter apreendido "diversos documentos acondicionados em saco plástico transparente dentre eles 01 papel azul com senhas, diversos comprovantes de depósitos e anotações manuscritas, dentre elas a inscrição 'cx 2'".

O senador afastado passou a ser investigado por acertar com Joesley Batista, dono da JBS, o pagamento de R$ 2 milhões.

Joesley entregou ao Ministério Público gravação de uma conversa com Aécio na qual eles combinam como será feito o repasse. Ao empresário, Aécio disse que precisava do dinheiro para pagar advogados que o defendem na Lava Jato.


Diligência da PF


No apartamento de Aécio, localizado na Avenida Vieira Souto, em Ipanema, a PF também apreendeu diversas obras de arte, entre elas 15 quadros e 1 estátua.

Foram, ainda, apreendidos um aparelho bloqueador de sinal telefônico, dois celulares, três pendrives, um caderno espiral e uma fita de vídeo com dedicatória do empresário Alexandre Accioly.

Há também, conforme a descrição da PF, "folhas impressas contendo planilhas com 'indicações para cargos federais' com remuneração e direcionamento em qual partido político pertence ou foi indicado".

Também foi encontrada uma pasta contendo cópias da agenda de 2016 com agendamentos que incluem Joesley Batista e um pendrive em formato do símbolo do time de futebol do Flamengo. (Do G1.com)

Nenhum comentário:

Postar um comentário