sexta-feira, 19 de maio de 2017

APÓS TODAS AS DENÚNCIAS E EVIDÊNCIAS, VINDAS A PÚBLICO COM A DELAÇÃO DA JBS, PTB REITERA APOIO A TEMER


A bancada do PTB na Câmara Federal, liderada pelo goiano Jovair Arantes, divulgou, na noite desta quinta-feira (18/5), uma nota de apoio ao presidente da República Michel Temer (PMDB).

Após denúncia de que deu aval para que aliados comprem o silêncio do ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) — preso na Operação Lava Jato –, Temer foi tragado para o centro da crise que arrebatou o país com a delação de Joesley Batista — que comanda a J&F, holding da JBS Friboi.

Segundo o PTB, os efeitos negativos de uma ruptura institucional no momento em que a economia “começa a se recuperar”, força o partido a aguardar as apurações das denúncias. “Apoiamos as reformas defendidas pelo governo, na certeza de que são essenciais para o crescimento do País e benéficas aos cidadãos menos favorecidos”, escreve a nota.

Veja na íntegra:

Levando em consideração os efeitos negativos de uma ruptura institucional no momento em que a economia do País começa a se recuperar – com queda da inflação, aumento do número de empregos formais e retomada de investimentos externos no Brasil –, acreditamos ser necessário aguardar o resultado das apurações sobre as denúncias apresentadas contra o presidente da República.

Apoiamos as reformas defendidas pelo governo, na certeza de que são essenciais para o crescimento do País e benéficas aos cidadãos menos favorecidos.

Também manifestamos nosso respeito ao Ministério Público Federal e à Polícia Federal, órgãos que conduzem as investigações em consonância com o Poder Judiciário, defendendo celeridade nas apurações para que a verdade possa prevalecer.

Por essas razões, em nome da bancada do PTB na Câmara dos Deputados, reiteramos o apoio dos parlamentares do Partido Trabalhista Brasileiro ao governo do Presidente Michel Temer.

Jovair Arantes
Líder do PTB na Câmara dos Deputados

Crise

Segundo informação publicada pelo colunista de “O Globo” Lauro Jardim, o empresário e presidente da J&F (holding que controla a JBS), Joesley Batista, entregou ao Supremo Tribunal Federal (STF) o conteúdo de uma gravação na qual o presidente Michel Temer (PMDB) dá o aval para a compra do silêncio do ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

O encontro teria acontecido no dia 7 de março, no Palácio do Jaburu, em que Joesley Batista aparece contando a Temer que estava dando a Cunha e ao operador Lúcio Funaro — ambos presos no âmbito da Operação Lava Jato — uma mesada de R$ 500 mil para que não assinassem qualquer tipo de colaboração ou delação. Diante da informação, o presidente teria respondido: “Tem que manter isso, viu?”.

O  ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, relator da Lava Jato, autorizou abertura de inquérito contra o presidente. Na Câmara, pelo menos oito pedidos de impeachment já foram protocolados. Dois ministros deixaram o governo: Bruno Araújo (Cidades) e Roberto Freire (Cultura).

Em coletiva de imprensa, Temer negou veementemente todas as denúncias e que não irá renunciar à Presidência da República. “Registro que a investigação será território onde surgirão todas as explicações. No Supremo, demonstrarei minha inocência. Não renuncio!”, bradou. (Do Jornal Opção)

Nenhum comentário:

Postar um comentário