sábado, 29 de abril de 2017

TEMER MINIMIZA GREVE GERAL E DIZ QUE REFORMAS SERÃO DEBATIDAS SÓ COM CONGRESSO

Visão do protesto em São Paulo, no Largo da Batata. RICARDO STUCKERT


A manhã despontou no coração de São Paulo e os transeuntes que se via eram basicamente os moradores de rua que ali passam seus dias. Lojas fechadas, pouquíssimo trânsito e entradas de metrô completamente desertas. A imagem se repetiu durante horas nesta sexta-feira nas principais cidades brasileiras. Foi uma demonstração de força do movimento sindical que convocou uma greve geral contra as reformas trabalhista e previdenciária do Governo Michel Temer e conseguiu paralisar a rotina nas capitais graças, principalmente, à crucial adesão do setor de transportes. A única exceção foi o Rio de Janeiro, onde o metrô não parou e os ônibus circularam parcialmente.

Em sua primeira paralisação realmente nacional em 21 anos, os sindicalistas contaram com apoios pouco frequentes contra o Planalto, como a participação da Força Sindical, uma organização que apoiou o impeachment, a mobilização explícita da cúpula católica e a interrupção das aulas até em caros colégios particulares em várias capitais. “É preciso reivindicar nossos direitos que estão sendo retirados por um presidente impopular e ilegítimo”, dizia, na zona oeste de São Paulo, o estudante de escola privada André Neto, de 17 anos, num dos poucos protestos da jornada que acabaria em repressão policial diante da casa de Michel Temer na cidade. Enquanto em Brasília houve tensão, mas não incidentes, no Rio, as cenas dramáticas de ônibus incendiados por mascarados se mesclaram às dos manifestantes correndo das bombas de gás lacrimogêneo lançadas pela polícia.

Instado a se manifestar sobre a mobilização, o presidente Temer fez uma declaração pública na qual reduziu a greve geral a "pequenos grupos que bloquearam rodovias e avenidas". Ele insistiu que seguirá seus propósitos de "modernizar a legislação nacional" e descartou qualquer diálogo com sindicatos ou outros grupos da sociedade civil ao advertir que o debate sobre as reformas se realizará "na arena adequada para essa discussão, que é o Congresso Nacional".

De fato, está no Congresso tanto as chances de sobrevivência do Governo Temer e sua agenda liberal como o termômetro real do impacto da mobilização desta sexta-feira sobre os parlamentares. O Planalto, que conseguiu na Câmara passar a reforma trabalhista nesta semana, agora mapeia os parlamentares traidores para se preparar para a batalha mais difícil: a da reforma da Previdência. Se perceber que pode sofrer derrota ou mais defecções em sua pressionada base de apoio, o Governo será obrigado ao menos adiar o cronograma da votação na comissão especial do tema, prevista para o dia 3, e no plenário, entre 8 e 20 de maio. Se isso acontecer, pode ser ao menos uma vitória tática as forças que foram às ruas.

André Neto, 17, no Largo da Batata, em São Paulo, para quem "um Governo impopular e ilegítimo não pode comprometer nosso futuro".

A mensagem das organizações da greve geral é que a pressão não cessará. No Largo da Batata, o principal ato em São Paulo, que, segundo seus convocadores reuniu 70.000 pessoas, o coordenador do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra), Guilherme Boulos, exigia que, “após a maior greve dos últimos 30 anos no Brasil”, os senadores ouvissem “a voz das ruas” para reverter a reforma trabalhista. “Entre a aprovação na Câmara e o texto ir para o Senado nós paramos o Brasil”, disse. Por diferentes razões, Temer também se volta ao senadores, preocupado com os cálculos de uma Casa povoada por denunciados na Operação Lava Jato e, especialmente, com a resistência de um neooposicionista, o ex-presidente do Senado e implicado nas investigações, Renan Calheiros (PMDB-AL).

A guerra de narrativas sobre a greve

No Largo da Batata também se faziam sentir os ecos da Lava Jato na primeira manifestação após o bombardeio das delações da Odebrecht. Acuados por inquéritos da operação, os senadores petistas Lindberg Faria (RJ) e Gleisi Hoffmann (PR) discursaram em cima do carro de som. “Essa greve é o começo da derrubada de Temer”, afirmou Faria, sem empolgar a multidão que ouvia, e informando que a bancada do partido irá apresentar um projeto de lei para antecipar as eleições presidenciais para outubro deste ano.

No público, crianças, bandeiras com o arco-íris símbolo do movimento LGBT, representantes do movimento negro e de vários coletivos da periferia dividiam o espaço com as tradicionais bandeiras vermelhas de movimentos como o MTST, CUT e MST. Estava por lá também um professor vestido com a camisa da seleção brasileira e segurando uma bandeira do país, numa indumentária típica dos atos pró-impeachment de 2015 e 2016. Wirmondes Corrêa Birges lamentava a participação dos petistas no ato. “Eu estou aqui lutando por melhores condições para meus filhos e netos, não queria que PT ou PSDB transformassem isso em uma coisa partidária”, afirmou.

O professor simbolizava uma das interrogações da jornada: a mobilização conseguiria implodir a polarização política entre forças esquerdistas e o PT de um lado e forças à direita do outro para conquistar um público mais geral contra as reformas? A pergunta não tem resposta clara ainda, mas o que também se viu nesta sexta-feira foi uma reencenação do fla-flu político, com uma feroz disputa sobre a narrativa da greve. Liderando o front de resistência, estava o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), que chamou os grevistas de "vagabundos". A controvérsia envolveu até a TV Globo, que foi criticada porque seu Jornal Nacional não havia noticiado a greve prevista na quinta. Nas redes sociais, a resistência também foi palpável. Mesmo com um Governo aprovado por menos de 10% da população e com uma agenda que seria impopular em boa parte do mundo, houve um bom volume de críticos dos transtornos da paralisação e de táticas de piquetes e bloqueios para forçar a adesão ao movimento.

Manifestante gesticula próximo a ônibus incendiado no Rio. Polícia dispersou manifestantes com bombas de gás. LEO CORREA (AP)

Nas ruas, a questão do apoio à pauta se tornava mais complexa. Fabiana Paiva, que trabalha em um lanchonete dentro do terminal Jabaquara, em São Paulo, reclamava da clientela fraca. Contava que conseguira uma lotação para ir ao trabalho, mas que não tinha a menor ideia de como iria voltar para casa. "Acho que essa paralisação é correta. Sou contra todas essas reformas do Governo, mas prefiro não protestar para não ter problema aqui no trabalho."

A preocupação de Fabiana não soa menor diante dos novos dados de desemprego. Quando a jornada da greve ainda começava nesta sexta, os brasileiros toparam com uma notícia do IBGE que refletia a profundidade da crise econômica. Pela primeira vez na história, o Brasil ultrapassou a marca de 14 milhões de desempregados, ou 13,7% da população economicamente ativa. A cifra é aterradora num país que até pouco tempo flertava com a ideia do pleno emprego e um complicador a mais para Temer: não trazia nenhum sinal da recuperação econômica prometida por ele.

Nenhum comentário:

Postar um comentário