quinta-feira, 27 de abril de 2017

GONZAGA PATRIOTA FOI UM DOS POUCOS PERNAMBUCANOS A VOTAR CONTRA REFORMA TRABALHISTA

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (26) o texto-base do projeto de lei 6787/16, mais conhecido como reforma trabalhista. Foram 296 votos a favor e 177 contra. Agora, os deputados analisarão os 17 destaques propostos pelos parlamentares, o que pode modificar o texto final da reforma.

A bancada de oposição tentou impedir a votação com sucessivos requerimentos, provocando um clima tenso no plenário. A matéria, considerada impopular, gerou resistência de entidades representativas dos trabalhadores, que consideram que o texto retira direitos trabalhistas e coloca a conta da crise econômica apenas nas costas dos empregados, e não do empresariado. Para próxima sexta-feira (28), uma greve geral foi convocada por centrais sindicais para pressionar o governo a flexibilizar as reformas trabalhista e da Previdência.

Se colocando como independente, apesar do seu partido o PSB fazer parte da base do governo Temer, o deputado federal Gonzaga Patriota (PSB) votou contra a proposta. “Não posso votar jamais em um projeto que prejudique o trabalhador, como este aprovado ontem pelos colegas na câmara. Aproveitando a oportunidade aqui no Blog do Cisneiros, já adianto que da forma que está colocada também votarei contra a reforma da previdência, pois não posso votar um projeto que acabe com as aposentadoria no Brasil”. Afirma veementemente o deputado Gonzaga Patriota.

O projeto altera pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e estabelece que acordos coletivos negociados por patrões e empregados prevalecem sobre a lei. O relator da proposta, Rogério Marinho (PSDB-RN), propôs mudanças em relação ao texto original.

Entre os principais pontos do parecer dele estão o negociado sobre o legislado (sobre as negociações entre patrão e empregado, acordos coletivos etc); o fim da contribuição sindical obrigatória; trabalho intermitente (possibilidade da prestação de serviços de forma descontínua e recebimento apenas pelas horas trabalhadas); trabalho terceirizado; teletrabalho (desempenho de funções à distância); multas administrativas; ativismo judicial e demissão consensual.

VEJA COMO VOTOU CADA DEPUTADO FEDERAL DO ESTADO DE PERNAMBUCO:

Os deputados pernambucanos que votaram Sim:

Adalberto Cavalcanti (PTB)
André de Paula (PSD)
Augusto Coutinho (Solidariede)
Betinho Gomes (PSDB)
Bruno Araújo (PSDB)
Carlos Eduardo Cadoca (PDT)
Daniel Coelho (PSDB)
Fernando Coelho Filho (PSB)
Fernando Monteiro (PP)
Jarbas Vasconcelos (PMDB)
João Fernando Coutinho (PSB)
Jorge Côrte Real (PTB)
Kaio Maniçoba (PMDB)
Marinaldo Rosendo (PSB)
Mendonça Filho (DEM)
Ricardo Teobaldo (PTN)

Os deputados que votaram Não:

Silvio Costa (PTdoB)
Tadeu Alencar (PSB)
Wolney Queiroz (PDT)
Danilo Cabral (PSB)
Pastor Eurico (PHS)
Luciana Santos (PCdoB)
Eduardo da Fonte (PP)
Gonzaga Patriota (PSB)
Pastor Eurico (PHS)

*Com informações do UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário