(87) 9.8141.4000

(87) 9.8141.4000

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

PTB e PT iniciam "deslocamento" do governo Eduardo

Um dia depois da oposição derrotar o governo Eduardo Campos (PSB), através de manobra regimental na Assembleia Legislativa, obrigando a retirada de pauta do pedido de autorização para contratação de empréstimo de US$ 175 milhões, junto ao Banco Mundial, os oposicionistas receberam, ontem, a adesão e assistiram o deslocamento para uma “linha de independência” do PTB e do PT, recém desembarcados do Executivo estadual. Oposição e “independentes” alinharam os discursos, cobrando dos governistas e do Palácio que matérias polêmicas, principalmente de cunho financeiro, sejam enviadas ao Legislativo detalhando o valor e a destinação do dinheiro.

Apesar do alinhamento, deputados da oposição, do PTB e do PT votaram com os governistas e aprovaram, por unanimidade, o projeto que autoriza o empréstimo pelo Banco Mundial. Por precaução, o governo articulou a presença da sua ampla maioria no plenário. Assinaram a ata 40. Na terça-feira (15), havia 22, quando o quórum para votar a matéria é de 25. O líder da oposição, Daniel Coelho (PSDB), pediu votação nominal, manobra que levou o governista André Campos (PSB, ex-PT) a pedir verificação de presença. Sem quórum, o projeto foi retirado de pauta. Se fosse aberta a votação, a matéria teria sido arquivada, e só poderia ser reapresentada em 2014.

“A partir de agora, a bancada do governo tem de estar mais atenta. O quadro político mudou na Casa”, alertou André, ao comemorar a aprovação do empréstimo. O dinheiro vai financiar a segunda etapa do Programa de Desenvolvimento da Educação e Gestão Pública (Projeto Educar).

Antes da votação de ontem, o PTB fechou posição. “Quero anunciar o voto de apoio da bancada do PTB, mas pedimos à bancada do governo que o Executivo encaminhe (agora) seus projetos com detalhamento”, cobrou o ex-vice-líder da situação, Sílvio Costa Filho (PTB). “Este deveria ser o procedimento desde o início da gestão. Até hoje, temos votado muito mais em confiança. Não teremos dificuldade de votar no que for do interesse do povo”, revelou a nova postura Manoel Santos (do PT que saiu do governo).

As posições do PT e do PTB coincidiram com o discurso da oposição, que havia imposto a derrota ao governo no dia anterior. “Vejam a importância do que fez a oposição. A prática era mandar projeto sem detalhamento. Não temos a obrigação de aprovar”, afirmou Daniel, pedindo nova conduta do governo. “A Alepe não pode ficar passando cheque em branco”, exaltou Terezinha Nunes (PSDB). (Via Jornal do Commercio)

Nenhum comentário:

Postar um comentário