quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Eduardo mobiliza prefeitos e prepara o "Juntos por Pernambuco"


Novo "mote" do governador será lançado nesta quinta-feira (21), em reunião com prefeitos de todo o Estado, em Gravatá

Com um discurso pronto para cativar os prefeitos dos 184 municípios do Estado, o governador Eduardo Campos (PSB) abrirá, nesta quinta-feira (21), o encontro geral com os gestores municipais, em Gravatá, Agreste, lançando o mote “Juntos por Pernambuco - Integração das Políticas Públicas”.

O slogan lembra os seminários “Todos por Pernambuco”, da primeira gestão de Eduardo, e constará no material que será entregue aos participantes, resumindo o tom administrativo e político do evento que seguirá os mesmos moldes do que foi realizado em janeiro pela presidente Dilma Rousseff (PT), em Brasília.

O objetivo central da reunião, organizada pelas secretarias estaduais de Planejamento e da Casa Civil, é estreitar o alinhamento entre os prefeitos e o governador, hoje apontando como um dos presidenciáveis para 2014. A sintonia é considerada estratégica tanto para o desempenho da gestão estadual em seus dois últimos anos, como para o sonho presidencial alimentado por Eduardo.

Na abertura, marcada para às 15h30, o socialista anunciará um pacote de medidas para aliviar os problemas financeiros das prefeituras. A atitude, além de funcionar como um gesto político, servirá para corroborar o discurso de Eduardo a favor de um novo pacto federativo e seus ataques às políticas de desonerações tributárias praticadas pela União, que terminam por reduzir as arrecadações de Estados e municípios.

O conteúdo do auxílio proposto pelo governo estadual ainda é mistério. “Tem algumas medidas que foram desenhadas e serão avalizadas até amanhã (hoje) pelo governador”, disse o chefe da Casa Civil, Tadeu Alencar. Internamente, a expectativa do governo é de que o pacote ganhe uma repercussão melhor entre os gestores do que as medidas anunciadas por Dilma.

Além do “afago” aos prefeitos, o evento tem por finalidade ampliar as parcerias entre as gestões estadual e municipais na execução de políticas públicas. O governador compreende que resultados de sua gestão só serão potencializados se os municípios cumprirem o “dever de casa”.

A intenção é frear ao máximo o surgimento de agendas negativas em áreas como saúde, educação e segurança.

Leia mais na edição desta quarta do Jornal do Commercio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário