segunda-feira, 21 de maio de 2012

Armando: "Frente Popular tem obrigação de procurar alternativas"

Armando Monteiro Neto / Foto: Alexandre Albuquerque/divulgação
“O PT perde as condições de oferecer à Frente Popular, e ao Recife, um candidatura”. Esta é a constatação do presidente estadual do PTB, senador Armando Monteiro, após os rumos que tomaram as prévias no PT do Recife. Em entrevista a Geraldo Freire, na Rádio Jornal, o senador afirmou que a crise no PT fortalece ainda mais a tese de candidatura alternativa, defendida por partidos que compõem a Frente Popular de Pernambuco (PTB, PDT, PP, PSC e PV). 

Para Armando, sob a liderança do governador Campos, a Frente tem agora a responsabilidade de construir as condições para oferecer uma alternativa ao Recife. O líder trabalhista também não vê mais condições políticas de João da Costa e Maurício Rands se colocarem perante a Frente, por não terem sido capazes de construir uma unidade dentro do próprio PT.

Leia entrevista abaixo:

Que condições terá o PT de promover a harmonização da Frente?

Armando Monteiro – “É lamentável verificar que esta novela termina de forma tão traumática, ou seja, um partido que expõe as suas fraturas, mas mais do que isto, um partido que não pode sequer aceitar o resultado das prévias, judicializando o processo.

Pergunto: que condições terá o PT de promover a harmonização interna?  Então eu acho que há de se lamentar tudo isto, mas a Frente Popular – e eu tenho dito sempre isto – é maior do que o PT. 

E se infelizmente o PT, apesar de todas as oportunidades que foram oferecidas, não é capaz de se entender minimamente, e mais do que isto, expor de maneira tão lamentável estas fraturas internas, eu acho que agora a Frente Popular tem a obrigação de buscar alternativas.

Veja que pra mim isto termina por consagrar a tese da candidatura alternativa, ou seja, o PT perde as condições de oferecer a toda a Frente Popular, e ao Recife, uma candidatura”.

Temos a responsabilidade de apresentar uma candidatura alternativa 

Armando Monteiro – “Eu acho que agora nós temos todos a responsabilidade, sobretudo o governador Eduardo Campos, que é o líder maior desta aliança, de promover um esforço e construir as condições para nós oferecermos uma alternativa à Frente Popular e ao Recife.

Isto se impõe, e nós vamos promover – eu digo nós, porque há um grupo de partidos que integram a Frente Popular, e que defendem esta tese há muito tempo – um grande esforço para construirmos isto. Porque eu acho que depois que tudo o que aconteceu, mais do que nunca é necessário buscar esta alternativa”.

Costa e Rands perderam as condições políticas

Armando Monteiro – “Eu não quero dizer que não aceito (a vitória de João da Costa), mas eu já havia dito que o que justificava a tese da candidatura alternativa era a constatação de que o prefeito João da Costa, independente de qualquer avaliação de ordem pessoal, não tinha conseguido reunir as condições políticas para poder receber o apoio da Frente. E por quê? Porque ele não tinha sequer o apoio de seu partido. E agora, infelizmente estas prévias descambam para um processo amplo de contestação e de impugnação do próprio partido. A legitimidade deste processo está questionada pelo próprio partido.

Então eu acho que seja o prefeito João da Costa, seja o próprio companheiro Maurício Rands, há claramente uma percepção de que eles perdem as condições políticas de se colocar perante a própria Frente. Se não foram capazes sequer de construir uma unidade, ou um entendimento em seu partido, como é que poderão agora oferecer à frente a confiança, a autoridade, e as condições de legitimidade para poderem representar a própria Frente na sucessão do Recife?”

Nenhum comentário:

Postar um comentário