quinta-feira, 22 de março de 2012

Filho de Amílcar Valença diz que em Garanhuns não há lugar para oligarquias

Amilcar da Mota Valença e Filhos, Pedro Jorge, Maria Emilia Calado e Adisa
O engenheiro Celso Benigno Silvestre Valença, filho do ex-prefeito de Garanhuns, Amílcar da Mota Valença, e sobrinho do Pe. Adelmar da Mota Valença, atualmente residente no Rio de Janeiro, se diz preocupado com o que chama de "descabidas declarações" do prefeito de Lajedo que "assacou contra as famílias de Garanhuns, instituições como o Ministério Público e até seus correligionários". 

Segundo Celso, as declarações do prefeito, divulgadas na internet, mereciam ser ignoradas, tendo em vista o “baixo nível de seu teor”.

Por  Celso Benigno Silvestre Valença  

"No momento que a classe política brasileira está tão desacreditada, este comportamento negativo serve para contrastar e ressaltar  os ainda numerosos membros dessa classe que a dignificam.  E Givaldo é um exemplo evidente da boa prática política. Ele pratica politica por vocação irresistível. É civilizado. 

A política sempre foi feita de modo diferente dos municípios vizinhos. A sua reconhecida independência não dava margem para perpetuação de oligarquias familiares ou partidárias, bem como para aceitar imposições externas. As acirradas disputas eleitorais transcorriam sem violências, e com respeito mútuo, com os eleitos escolhidos pelos seus méritos pessoais. Os participantes eram adversários partidários e não inimigos, que no cotidiano conviviam civilizadamente. As campanhas eram feitas por correligionários voluntários e não por militantes remunerados.

Givaldo é casado há 40 anos com Emília, minha irmã. Ela, filha de Amílcar da Mota Valença, tendo ele sido três vezes eleito vereador e duas vezes prefeito. Hoje, nosso pai tem com 96 anos, e é o ultimo remanescente das eleições de 1945. Durante suas profícuas gestões propiciou o surgimento de uma promissora geração de políticos que vieram a ocupar mandatos de vereadores, prefeitos e deputados estaduais e federais. Posso assegurar que ele está muito triste com tudo isso.

Givaldo somente começou a disputar cargos eletivos depois de consolidar sua carreira profissional e empresarial, e quando Amilcar já estava afastado da política. Para isso ele foi conhecer e estudar os problemas e as potencialidades de Garanhuns. Com destilo próprio, Givaldo continua no exercício de sua vocação, e se dedicando a sua cidade. Não há porque, portanto, o emprego de práticas antigas por parte de quem não conhece  nossa cidade, sobretudo quando essas práticas se dirigem aos familiares de nossos políticos. Garanhuns nunca viu isso. Estamos assustados".

Celso Benigno Silvestre Valença é engenheiro civil, filho do ex-prefeito de Garanhuns, Amílcar da Mota Valença, sobrinho do Pe. Adelmar da Mota Valença, irmão de Maria Emília Valença Calado e cunhado de Givaldo Calado de Freitas, atualmente residente no Rio de Janeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário