terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Interesses partidários não podem se sobrepor aos interesses da Frente Popular, diz Armando Monteiro à Rádio CBN

Armando Monteiro Neto
Blog de Inaldo Sampaio

O senador Armando Monteiro (PTB) disse hoje à Rádio CBN do Recife que, independente de disputas em alguns municípios, a Frente Popular de Pernambuco sairá ainda mais forte das urnas de 2012.

Veja, abaixo os principais trechos da entrevista:

Sobre a eleição do Recife: “O PTB pretende disputar em vários municípios, inclusive da Região Metropolitana. Em Igarassu, Itamaracá, Abreu e Lima, Jaboatão, existem vários companheiros que estão se colocando na disputa. Porque não no Recife? Porque precisa ser algo que brote espontaneamente. Nós não estamos querendo criar candidaturas artificiais. Onde houver um companheiro que reúna condições, que tenha algum tipo de perspectiva, eu acho que o partido tem que estimular estas candidaturas. Não há propriamente uma estratégia para a Região Metropolitana. Se existem quadros que podem se colocar, muito bem. Mas nós não estamos com isto afastando a possibilidade de, adiante, buscar um entendimento na própria Frente. Nós podemos ainda buscar este entendimento, mas temos que nos prepararmos para a hipótese que está hoje colocada, que é a de múltiplas candidaturas. Não podemos ficar à mercê de uma única candidatura da Frente, quando constatamos que esta única candidatura talvez não represente a alternativa ideal”.

Sobre a presença do PTB no interior: “A primeira constatação é que a Frente que nós integramos vai ter um desempenho muito positivo. Porque no interior os dois partidos que tinham mais presença eram o PSB e o PTB. Tanto em número de prefeituras, quanto em número de vereadores eleitos, como também em votos que foram dados às legendas. O que eu percebo é que estes dois partidos vão continuar a ter uma presença expressiva, é possível até que o PSB cresça ainda mais, e outros partidos da Frente vão crescer também. É possível que existam conflitos de interesse, mas nós temos que ter a competência de encaminhar isto da melhor forma possível. Tendo serenidade, tendo a visão de que o interesse partidário não pode sobrepor-se ao interesse da Frente e esperando que também, do mesmo modo, os companheiros que estão vinculados a outras legendas tenham a mesma compreensão. Quando não for possível compor, se não houver mesmo possibilidade, vamos para a disputa, e o povo então vai decidir. O PTB tem pré-candidaturas em 80 municípios. Evidentemente eu não posso fazer prognósticos, mas eu diria que com 80 candidaturas o PTB tem condições de manter um número expressivo de prefeituras”.

Sobre sua candidatura ao Governo do Estado – “Eu não acho que seja próprio discutir isto agora. Eu não sou mestre na arte de esconder o pensamento e por isto nunca neguei que tenho – como qualquer homem público que tem uma trajetória – a aspiração de que,  se puder, governar o meu Estado. Eu acho que isto é legítimo. Agora, uma candidatura ao governo passa por um longo percurso. Você precisa não apenas ter um partido que possa dar suporte a esta candidatura, mas ninguém faz uma eleição com um partido. Você precisa formar uma frente partidária, esta candidatura precisa corresponder claramente a uma expectativa, é preciso que você tenha compromisso com um projeto, com uma proposta, para que não seja uma postulação pessoal ou partidária. Se a idéia é de que a candidatura é algo que decorre apenas da vontade do candidato ou da vontade de um partido, isto não se justifica do ponto de vista político. Uma candidatura precisa representar, numa determinada circunstância, uma alternativa para a viabilização de um projeto. Isto é o mais importante”.

Sobre o projeto partidário do PTB – “Eu vou continuar a fazer o que eu sempre fiz, que é o de caminhar, construir, poder fazer um relacionamento também com outros partidos, porque eu tenho o compromisso de olhar e de servir a Pernambuco. Como senador da República, que é a responsabilidade que tenho hoje, eu me relaciono com prefeitos de todas as legendas. Ajudo e procuro trabalhar em favor de todos os municípios de Pernambuco, até mesmo de prefeitos que são da oposição, porque esta é a nossa obrigação. Agora, o projeto partidário do PTB vai seguir adiante também. O PTB vai tentar crescer, esta é a lógica partidária. Tudo passa por 2012. É um momento importante. Agora, eu quero dizer o seguinte, uma candidatura majoritária se vincula mais a uma corrente de opinião, e à compreensão das razões da candidatura do que propriamente o número de prefeitos ou o número de apoios. Não há relação direta entre número de prefeitos e eleição majoritária. Uma coisa necessariamente não tem a ver com a outra. O importante é que aquela candidatura seja justificada do ponto de vista de um projeto e não que ela corresponda apenas à vontade de uma legenda ou de um candidato”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário