segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Armando diz que não aceitará 'imposições'



Do Jornal do Commercio

Mesmo ciente de que a Frente Popular se tornou um campo minado, o senador Armando Monteiro Neto (PTB) decidiu endurecer o discurso. Farto das recentes alfinetadas de integrantes do PSB, e sem dar sinais de que pretende mudar sua estratégia de fortalecimento no interior do Estado, ele falou ontem ao JC. Assegurou estar tranquilo frente às posições que tem assumido dentro da aliança governista e foi categórico ao afirmar que não pretende se curvar às imposições do PSB, que tem demonstrado irritação com sua atuação política em Pernambuco. "Não vou pedir licença para me movimentar no meu Estado. Não preciso pedir licença a ninguém, eu sempre fiz isso", afirmou em evidente recado aos aliados socialistas.

As desavenças entre as duas legendas começaram no início deste ano, quando o senador orientou a bancada do PTB na Assembleia Legislativa a se posicionar contra a emenda que garantiu o quarto mandato consecutivo ao presidente da casa, deputado Guilherme Uchoa (PDT). A emenda foi um "mimo" ofertado pelo governador Eduardo Campos (PSB) ao aliado pedetista. Em seguida, o trabalhista retomou as andanças pelo interior, quando aproveitou para incrementar os quadros do PTB até a data limite para o fim das filiações partidárias. Em represália, assistiu a um avanço socialista em cidades como Goiana e Garanhuns.

Questionado sobre o porquê de suas movimentações incomodarem tanto os aliados, Monteiro Neto foi ainda mais incisivo: "É preciso perguntar a eles porque as minhas movimentações estão incomodando tanto!", desafiou. Armando Monteiro tem sido o alvo preferencial dos socialistas, que o enxergam como o principal adversário nas eleições de 2014, quando o governador não poderá mais disputar a reeleição. "Não recebi recado nenhum do governador e numa convivência como a nossa, não cabem recados. Nós temos um canal direto, não há problema. E posso garantir que não tenho nenhuma ansiedade em relação a 2012, muito menos a 2014".

Para o senador, a relação com Eduardo não está difícil. Sem citar nomes, ele avalia que políticos que atuam no entorno do governador é que estão alimentando intrigas entre os dois. "O fundamental é que não vou me deixar perturbar por essas figuras periféricas, que atuam de forma desagregadora. Continuarei preservando a minha autonomia e a minha independência. Vou continuar me movimentando", avisou o trabalhista, que permanece placidamente com suas andanças e articulações pelo Estado.

Um comentário:

  1. Shows fantasmas: investigações avançam


    Publicado no Jornal do Commercio em 08.01.2010
    Manoel Medeiros Neto

    A Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur), o Ministério do Turismo (MTur) e a Polícia Federal (PF) já foram notificados pelo Ministério Público Federal (MPF) sobre as investigações do escândalo dos shows fantasmas. Em ofício enviado pelo procurador da República em Pernambuco responsável pelas investigações do caso, Antonio Carlos Barreto Campello, o MPF solicitou informações aos três órgãos. As apurações das denúncias que provocaram o pedido de exoneração do ex-secretário estadual de Turismo Sílvio Costa Filho também estão em andamento no Ministério Público de Pernambuco (MPPE), no Tribunal de Contas do Estado (TCE) e na PF.
    O retorno dos trabalhos após o recesso do réveillon na Procuradoria da República em Pernambuco (PRPE), ocorrido ontem, deve acelerar as investigações no MPF. De acordo com informações oficiais, os documentos enviados aos órgãos foram redigidos dia 14 de dezembro, mas os prazos para as respostas só passam a ser contados a partir da data em que as documentações foram protocoladas oficialmente. Ao MTur e à Empetur, foram concedidos 20 dias corridos de prazo. À Polícia Federal, o MPF não delimitou data limite.
    Dos três órgãos, o único que já enviou a documentação solicitada foi o Ministério do Turismo. De acordo com a assessoria do MTur em Brasília, as prestações de contas do convênio Festejos Natalinos 2008 – firmado entre a Empetur e o Ministério – já foram encaminhadas. Sobre as documentações referentes às dispensas de licitação pela Empetur, solicitadas pelo MPF, a Empresa de Turismo registra que a papelada está sendo preparada e na próxima terça-feira (12) segue para o MPF. Na Polícia Federal, ainda há dúvida sobre abertura de inquérito. A PF aguarda resposta de questionamento enviado à Controladoria Geral da União (CGU) dia nove de dezembro sobre o convênio questionado. Se a CGU apontar mau uso da verba pública, o procedimento criminal será instalado.
    No MPPE, os promotores que investigam as denúncias atentam, no caso dos shows fantasmas, para as diferenciações das verbas federal (R$ 2,2 milhões) e estadual (R$ 300 mil) envolvidas, já que não é da alçada do órgão avaliar operações realizadas com verba federal. No TCE, a auditoria especial – coordenada pelo conselheiro Marcos Loreto – também não ultrapassou o estágio de apuração. De acordo com Loreto, no início de fevereiro será possível programar com mais clareza uma perspectiva para divulgar os resultados da apuração.
    Denunciado pela oposição no final de 2009, o escândalo dos shows fantasmas constrangeu a gestão do governador Eduardo Campos (PSB). Há indícios de que diversos shows que supostamente beneficiariam municípios do interior do Estado não aconteceram, mas foram pagos.

    ResponderExcluir